Calor deve continuar em SP até sexta-feira

Ontem, a máxima foi de 33,3ºC; no domingo, houve recorde histórico

Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

03 de março de 2009 | 00h00

A manhã de ontem começou com céu nublado na capital paulista, com registro de neblina em alguns pontos da cidade, mas o sol logo apareceu e a temperatura alcançou os 33,3°C no Mirante de Santana, na zona norte de São Paulo. A temperatura ficou só 0,8ºC abaixo do registrado no domingo, quando foi quebrado o recorde de calor para o mês de março desde 1943 - 34,1ºC -, quando foi iniciada a medição diária de temperatura em São Paulo.No Mirante de Santana é que o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) faz a medição oficial da temperatura média na capital. Em alguns locais, por causa de condições diversas, como a vegetação, variam tanto a temperatura quanto a sensação térmica - o mesmo ocorre com os relógios de rua. Em Itaquera, na zona leste, os termômetros chegaram aos 35,6ºC , segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo. Ainda de acordo com o CGE, por causa da baixa umidade relativa do ar não existe previsão para chuvas na cidade de São Paulo e regiões adjacentes até sexta-feira. "Os termômetros não baixam, as chuvas devem ser isoladas e só mais para o fim da semana chega uma frente fria", afirma a meteorologista do Inmet, Ester Ito.Por causa da lista extensa de problemas de saúde que podem ser agravados pela atual situação climática (veja ao lado), ontem a Secretaria de Estado da Educação informou que todos os professores de Educação Física foram orientados a poupar os estudantes nas aulas e desaconselhou exercícios. MALES DO CALORDesidratação: transpiração excessiva, sem reposição de água, pode provoca febreInsolação: temperatura do corpo fica alta por causa da exposição ao solMau humor: o incômodo do calor pode causar irritabilidade Enfarte/AVC: calor pode provocar aumento da pressão arterial. Há aumento da viscosidade do sangue. Associados, os elementos podem causar enfarte ou AVCDoenças de pele: exposição ao sol facilita a proliferação de fungos e bactérias, vetores de micosesDiarreia: as infecções intestinais são mais comuns no verão e uma das explicações é o uso de gelo feito com água não filtradaDoenças respiratórias: o tempo seco provoca asma, bronquite, rinite. Aumenta a ocorrência de resfriados e gripes Dengue: o mosquito transmissor da dengue se prolifera mais facilmente em temperaturas altasDor de cabeça e enxaqueca: o calor potencializa dor de cabeça e pode causar crise de enxaqueca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.