Calouro é espancado no Rio

Ao se recusar a ter o cabelo raspado durante um trote, o estudante de veterinária Leandro Ferreira de Almeida, de 27 anos, foi espancado por três colegas, na tarde de terça-feira, no campus da Centro Universitário Plínio Leite, em Itaboraí, no Grande Rio. Almeida levou socos e pontapés por todo o corpo, teve convulsões e ficou desacordado por alguns minutos, até ser socorrido e depois levado pelo diretor da faculdade, Paulo Pinto, à delegacia local, para prestar queixa. Os agressores deverão ser expulsos da instituição.O vice-reitor de Administração e Planejamento da universidade, Aluísio Monteiro, disse que o aluno, que já é formado em Direito, não queria que lhe raspassem a cabeça porque ele tiraria hoje uma fotografia para sua carteira de admissão na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e não queria aparecer careca.Segundo Monteiro, o centro universitário proíbe, há um ano, qualquer tipo de trote. "Nunca tivemos incidentes como este, mas, por prevenção, banimos a prática do trote. Nosso aluno foi covardemente agredido e isso não ficará impune", contou o vice-reitor.O centro universitário instaurou uma sindicância interna para apurar se os trêsalunos acusados por Almeida e pelas testemunhas do espancamento foram os autores da agressão. Eles já foram suspensos das aulas e devem ser expulsos, informou Monteiro. Almeida foi o único dos 53 alunos do 1º semestre do curso de Veterinária a sofrer o trote ontem, já que, por estar viajando em fevereiro, ele começou a assistir as aulas na faculdade somente na terça-feira. O grupo agiu por volta das 13h30, aproveitando-se do fato de o campus estar vazio neste horário, segundo divulgou a instituição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.