Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Câmara aprova fim de progressão de regime para quem matar policial

Proposta também se estende a assassinos de parentes de agentes de segurança pública até o terceiro grau

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 20h21

BRASÍLIA - O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira, 8, o projeto de lei que acaba com a progressão de regime para quem matar ou ferir gravemente policiais ou agentes públicos de segurança. Pelo texto aprovado, assassinos de policiais terão de cumprir a pena integral em regime fechado. O texto seguirá agora para o Senado.

+++ Com 61.619 assassinatos em 2016, Brasil tem ano mais violento da história

"O Supremo Tribunal Federal disse que qualquer pena tinha de ter progressão. Eu estou criando um novo tipo na lei: quem mata policial ou agente público (militar, agente penitenciário, bombeiro) é pena de regime fechado", enfatizou o autor do projeto, deputado Alberto Fraga (DEM-DF). O projeto também se estende a parentes de policiais e agentes de segurança pública até o terceiro grau.

+++ Com 4.224 ocorrências, mortes por policiais batem recorde em 2016

O projeto é um desdobramento da proposta sancionada em 2015 que agravou as penas para os crimes de homicídio e lesão corporal contra policiais, bombeiros, integrantes das Forças Armadas e Força Nacional de Segurança, agentes penitenciários e familiares desses agentes.

+++ Assassinato causa metade das mortes de jovens no País

Com a aprovação da lei, homicídio e lesão corporal gravíssima contra policiais passaram a ser crime hediondo, assim como o crime de genocídio. "Nosso objetivo (com a lei de 2015) era frear os assassinatos, mas não adiantou", lamentou Fraga.

Com o texto aprovado na noite desta quarta, genocídio também entra na regra que acaba com a progressão de pena.

 

Um destaque do PMDB aprovado pelo plenário também alterou as regras de progressão de crime para tráfico, terrorismo e tortura. Pela legislação em vigor, a progressão é de dois terços se o condenado for primário e três quintos se for reincidente. A proposta deliberada prevê que a progressão de regime passa para metade da pena para poder reincidir e se o condenado for reincidente terá de ter cumprido pelo menos dois terços da pena.

O autor do projeto disse que a morte de mais de 100 policiais no Rio de Janeiro impulsionou o andamento da proposta e que o Congresso não pode mais aceitar que policial "seja caçado e morte" nas ruas. "Quero que o projeto seja um fator intimidador", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.