Câmara de Campinas investigará prefeita

A Câmara Municipal de Campinas aprovou a criação de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar supostas irregularidades cometidas pela prefeita Izalene Tiene (PT). A investigação foi sugerida pelo vereador Sebastião dos Santos (PFL) e aprovada por onze votos a nove, ontem à noite. O parlamentar acusa Izalene de desrespeitar a lei municipal e cometer duas irregularidades, desrespeitando leis do município. A prefeita teria afrontado a legislação da cidade ao conceder alvará para a instalação do Bingo Esplanada do Rosário a menos de 500 metros de outro estabelecimento do gênero. Izalene é acusada ainda de ter passado por cima de outra lei municipal ao assinar um decreto permitindo a instalação de antenas de telefonia celular sobre caixas d?água da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa), autarquia que administra o setor em Campinas. A legislação municipal determina que a instalação da antena somente pode ocorrer depois de aprovada por mais de 60% dos moradores da área em questão.A prefeita tentou articular com os vereadores para impedir a aprovação da CEI. Mas não obteve sucesso. PSDB, PDT, PSB, PFL e PMDB optaram por acatar o procedimento. Na base aliada, que votou contra a Comissão, estavam parlamentares do PT, PCdoB, PPS e PTB. O autor do requerimento chegou a pedir a cassação de Izalene no plenário. A investigação é mais um capítulo da crise que se abateu na atual administração depois da morte do prefeito Antonio da Costa Santos, um negociador eficiente que sempre teve maioria na Câmara. Izalene se indispôs com membros do próprio PT, que a acusam de ter se desviado do plano de governo definido pelo partido na campanha de Toninho do PT, como era chamado o prefeito, assassinado há nove meses. Para o vereador e pré-candidato estadual Sebastião Arcanjo (PT), o isolacionismo da prefeita precisa ser revertido. Ele mesmo se afastou da liderança do partido na Câmara por discordar dos rumos adotados por Izalene. Mas Arcanjo prefere botar panos quentes sobre a CEI. "É um procedimento de averiguação, prerrogativa da Câmara Municipal", defendeu. Para o petista, "cabe ao governo fazer sua parte" e justificar as medidas adotadas. Ele afirmou que seria "lamentável se a administração usasse expedientes para evitar a investigação". O vereador não acredita que a Comissão vá resultar em pedido de afastamento da prefeita. "Não houve dolo. E é melhor corrigir que lidar com fantasmas", garantiu. De acordo com ele, a lei do bingo é inconstitucional porque impede a livre concorrência, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, e sua revogação já havia sido solicitada pelo Executivo. No caso das antenas, o vereador entendeu que a prefeita "não observou a legislação". O vereador Jonas Donizete (PSB), que votou a favor e comporá a CEI, também preferiu cautela. "A Comissão é um instrumento da Câmara para investigar fatos que exigem esclarecimento. É difícil antecipar resultados", disse. Além de Santos e Donizete, compõem a CEI os vereadores Carlos Signorelli (PT), Terezinha de Carvalho (PPB) e Paulo Oya (PPS). Na quarta-feira próxima eles se reunirão para definir funções e iniciar os trabalhos. O grupo tem 90 dias para apresentar a conclusão das investigações. A prefeita foi procurada, mas não se manifestou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.