Câmara de SP aprova CPI da coleta de lixo

Após uma semana de intensas discussões, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou a instalação de uma CPI para investigar os contratos de coleta de lixo e limpeza na cidade. Por 48 votos a três, os vereadores deram preferência ao requerimento do vereador Devanir Ribeiro (PT) para instalação da comissão, que será oficialmente criada em até 15 dias. A CPI, que irá durar 90 dias, prorrogáveis por mais 90, investigará todos os contratos e licitações de limpeza e coleta de lixo desde a promulgação da lei municipal 10.315, de 1987, que terceirizou todos os serviços de limpeza na cidade. Os trabalhos abrangerão as administrações dos ex-prefeitos Jânio Quadros, Luiza Erundina (ex-PT atual PSB), Paulo Maluf (PPB), Celso Pitta (PTN) e a da atual prefeita, Marta Suplicy (PT). Além dos contratos de emergência do governo petista, serão analisadas licitações realizadas em 1988, durante a gestão Jânio Quadros, e 1995, elaboradas por Maluf. Erundina e Pitta deverão responder por contratos de emergência realizados durante suas administrações.O grupo será composto por sete vereadores, respeitando a representatividade dos partidos em plenário. Serão dois parlamentares do PT, e um do PSDB, PPB, PMDB, PL e PTB. Até às 17h30, apenas os nomes de Devanir Ribeiro, que presidirá os trabalhos, e de Antonio Carlos Rodrigues (PL), que já participa da CPI das Áreas Públicas, em andamento na Câmara, haviam sido confirmados.A aprovação da CPI, que era apoiada pelos governistas, ocorreu após intensas discussões em plenário. O requerimento petista concorria com outro, apresentado pelo vereador Dalton Silvano (PSDB), e que priorizava as investigações sobre os contratos emergenciais firmados por Marta, no início do ano. A vereadora Aldaíza Sposati (PT), que apresentou a primeira proposta do PT para a criação da CPI, retirou seu requerimento durante a sessão. O requerimento da parlamentar havia sido contestado pelos vereadores da oposição, pelo fato de Aldaíza ter sido secretária das Administrações Regionais durante o governo Erundina. Após a substituição do requerimento petista, os vereadores votaram a proposta da oposição, que foi rejeitada por 33 votos a 16. Logo em seguida, foi votado o requerimento vencedor. Apenas três vereadores do PPB - Edivado Estima, Salim Curiati e Erasmo Dias - votaram contra. Nos próximos dias, haverá a disputa pelos cargos na comissão. O principal deles é o de relator. Os vereadores do PSDB afirmaram que vão brigar pela vaga. "Vamos conversar com o PT sobre essa possibilidade, pois é uma forma de equilibrar as forças políticas", justificou o líder da bancada, Gilberto Natalini.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.