Câmara de SP vai recorrer à Justiça por CPI da Sabesp

A Câmara Municipal de São Paulo recorrerá da liminar que suspendeu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) responsável por investigar os serviços prestados pela Sabesp. A informação sobre o recurso é do vereador Francisco Chagas (PT), que preside a comissão. O vice-presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, desembargador Luís de Macedo, concedeu na sexta-feira a liminar suspendendo a CPI, até o julgamento do mérito da ação que objetiva a anulação da comissão. A liminar foi concedida após análise do mandado de segurança impetrado pelo vereador Ricardo Montoro (PSDB), que argumenta que falta competência ao Legislativo Municipal para investigar a matéria, já que a Sabesp é do governo do Estado. Francisco Chagas argumenta em favor da CPI dizendo que quatro milhões de moradores de São Paulo são obrigados a conviver com rodízio de água, acusação negada pela Sabesp. Ele também cobra da empresa informações sobre seu sistema de tarifas. Chagas diz que a CPI investigaria a suposta prática de subsídio cruzado, que acontece quando a empresa cobra tarifas mais altas na capital para subsidiar o serviço em municípios do interior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.