Câmara define hoje quem pode ser candidato

Há dez nomes inscritos para a disputar vaga de Arruda, mas um já desistiu e Legislativo [br]avalia impugnar outros

, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

A Câmara Legislativa do Distrito Federal deve definir hoje o número de candidatos que vão disputar as eleições indiretas para governador no próximo sábado. O vencedor vai assumir em definitivo o governo do DF até o fim do ano.  

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifEleição indireta no DF tem 10 candidatos inscritos

Três candidatos aparecem na lista de favoritos: o governador em exercício, deputado Wilson Lima (PR), o petista Antônio Ibañez e o peemedebista Rogério Rosso. Outros sete nomes foram inscritos, mas um já desistiu e outros avaliam tomar a mesma decisão ainda hoje.

A diminuição do número de candidatos deve-se a falhas nos documentos dos postulantes. A Mesa Diretora da Câmara Legislativa analisa hoje quantos serão impugnados.

O problema está em torno das interpretações das regras para disputar a eleição. A Câmara permite, por exemplo, que o candidato não seja deputado, mas determina que esteja filiado a um partido político há, pelo menos, um ano antes da votação. Esse caso, por exemplo, atinge o candidato do PTB, o advogado Luiz Filipe Coelho.

A eleição será decidida pelos 24 deputados distritais, dos quais ao menos sete são citados no inquérito do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o esquema de corrupção no Distrito Federal. Como há mais de três chapas inscritas, o candidato vencedor terá de obter maioria absoluta dos votos para ganhar a disputa.

Prestígio. Em exercício no governo desde 23 de fevereiro, Wilson Lima aposta no prestígio entre os colegas de Câmara para levar a melhor no próximo sábado. Ele tenta ainda um acordo com o PMDB, comandado em Brasília pelo deputado federal Tadeu Filippelli. Juntos, teriam, ao menos, quatro votos. Lima assumiu o governo, interinamente, após a prisão do ex-governador José Roberto Arruda e a renúncia do vice, Paulo Octávio.

O PT, por sua vez, quer atrair o PDT e o PPS, mas admite que tem menos chances do que Wilson Lima. Partido de José Roberto Arruda até dezembro passado, o DEM decidiu não lançar candidato. A legenda está rachada em Brasília. Aliado de Arruda, o deputado Alberto Fraga não conseguiu o aval interno para participar das eleições de sábado. O diretório do DEM no DF, presidido pelo senador Adelmir Santana, chegou a lançar o nome do deputado federal Osório Adriano, mas teve de recuar após ser enquadrado pelo comando nacional ? contrário ao envolvimento na votação que vai escolher o sucessor de Arruda. / L.C

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.