Camelôs fazem novo protesto e fecham lojas em Belém

Dois mil camelôs desempregados promoveram hoje um arrastão pelo centro comercial de Belém, obrigando os comerciantes a fecharem suas lojas para evitar invasões e saques. A Polícia Militar deslocou 300 homens e viaturas para o local, enquanto os manifestantes exigiam a devolução de suas mercadorias, apreendidas ontem durante operação da Polícia Federal. Houve duas prisões.A PF alega que os produtos foram contrabandeados e que seus proprietários não tinham nota fiscal. Representantes dos camelôs tentaram conseguir a liberação de suas mercadorias, mas a Receita Federal se mantinha irredutível, alegando que a apreensão foi realizada dentro da lei. A proposta dos camelôs era de liberar produtos como bolsas, sapatos e brinquedos com valores superior a R$ 1 mil. "Muita gente investiu suas últimas economias nessas compras e já entrou em desespero com a possibilidade de perder tudo", disse Antonio Freitas, um dos líderes dos camelôs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.