Camelôs ilegais tentam impedir que legalizados trabalhem

Vários grupos de camelôs que, por falta de alvará da Prefeitura, não podem montar suas barracas na região da Rua Oriente, no Brás, centro da capital paulista, nem no bolsão, conhecido como Shopping Popular, já lotado, feito para 3.300 ambulantes legalizados, tentam, desde às 4 horas desta madrugada impedir que camelôs regularizados trabalhem. A confusão e o tumulto toma conta da região.A feirinha da madrugada, também como é chamado o shopping popular, fica na altura do nº 789 da Rua Oriente, possui mais três entradas: uma na Rua São Caetano, outra na Avenida do Estado e outra na Rua Monsenhor de Andrade. As quatro entradas foram bloqueadas pelos marreteiros ilegais, o que impede os mais de 150 ônibus, ocupados por clientes, a maioria formada por comerciantes de outras cidades paulistas e outros Estados, entrem no estacionamento do bolsão, que possui 70 mil metros quadrados.Com isso, ninguém entra nem sai. Um total de 50 guardas municipais e policiais militares acompanham o impasse. Até às 5 horas não havia sido registrado confronto entre as partes, mas a confusão é grande, pois dezenas de ônibus estão circulando pela região sem poder acessar o bolsão, o mesmo ocorrendo com os clientes e camelôs que chagaram por último para armas suas barracas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.