Camelôs impedem abertura de lojas na região do Brás

O confronto entre policiais militares e camelôs nas proximidades da Rua Oriente, na região do Brás, próximo ao centro de São Paulo, continuava por volta das 9h30 desta quinta-feira, 9. Três camelôs foram presos e um PM ficou ferido no confronto iniciado por volta das 6 horas depois que os policiais impediram que os camelôs montassem suas barracas. Com o protesto, muitos camelôs pediram a comerciantes da região que mantivessem as lojas fechadas.De acordo com a reportagem da Rádio Eldorado AM, cerca de 70 policiais militares ainda permaneciam no local por volta das 9h30. Agentes da Guarda Civil Metropolitana, que participavam da operação, deixaram o local. Por causa dos conflitos, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) chegou a bloquear o trecho da Rua Monsenhor Andrade que vai da Rua São Caetano até a Rua João Teodoro, mas o trânsito foi liberado por volta das 9 horas. Feirinha da madrugadaO confronto começou depois que os ambulantes voltaram a montar suas barracas para a "feirinha da madrugada" no entorno da Rua Oriente, fora do bolsão legalizado pela Prefeitura. Bombas de efeito moral foram lançadas para dispersar os camelôs. A correria e os estrondos ocorreram principalmente nas ruas Oriente, Monsenhor de Andrade, Barão do Ladário e São Caetano.Durante o confronto, os camelôs depredaram um ônibus e incendiaram um caminhão da Subprefeitura da Mooca. O fogo foi rapidamente apagado por um caminhão-pipa, que fazia parte da operação.A Subprefeitura da Mooca, que comanda a operação informou que os camelôs não têm autorização para participarem da "feirinha da madrugada", que ocorre das 3h30 às 7h30. Segundo o órgão, há espaço para a realização do evento num estacionamento nas imediações. Já os camelôs alegam que neste local são cobradas altas taxas, o que torna inviável trabalhar ali. A Prefeitura acusa os camelôs que ficam fora do bolsão de tumultuarem a região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.