Câmera de segurança flagra morte de mulher no Paraná

A gravação das imagens do assassinato de Suzane Pereira da Rocha, de 23 anos, na Praça Tiradentes, no centro de Curitiba, pelo ex-namorado, Haroldo Moreira da Silva, de 56 anos, é uma das provas anexadas ao inquérito policial no 1º. Distrito Policial. As imagens de poucos segundos, feitas pelo sistema de segurança de um prédio, mostram que o homem chegou calmamente, tirou o revólver calibre 22 de uma sacola de plástico e, sem dizer nada, atirou contra a mulher, que estava sentada em uma escadaria conversando com duas amigas. Logo depois, ele saiu andando, mas foi preso por guardas municipais a poucas quadras, após ser seguido por uma testemunha."Ele chegou tranqüilo, agiu de forma tranqüila, saiu andando tranqüilamente e hoje continua tranqüilo", afirmou a escrivã Joana Novak Madureira. "Parece até que tem um sentimento de satisfação." Segundo ela, na hora em que foi preso, ele já sabia que a moça tinha morrido. O assassinato aconteceu por volta das 14h20 de quarta-feira, 7,quando Suzane esperava o horário para retomar o trabalho em uma lanchonete. Dos três tiros disparados por Silva, a uma distância de poucos centímetros, dois atingiram-na, no rosto e no braço. EmpregoDe acordo com amigos da moça, eles se conheceram no ano passado. Com três filhos de um relacionamento anterior - um de um ano e quatro meses, outro de quatro e o terceiro de cinco anos -, ela acabou aceitando morar com Silva. Para isso, abandonou o emprego.Oito meses depois, voltou a procurar o gerente da lanchonete para reaver o emprego, visto que o relacionamento acabara. No entanto, Silva continuava procurando-a diariamente. Proibido de entrar na lanchonete, ele ficava esperando-a no fim do expediente e ameaçava contra sua vida.A polícia suspeita que os passos do dia da morte da moça foram premeditados. Ele disse ter comprado a arma de uma pessoa na própria praça, alegando defesa pessoal. Natural de São Paulo, Silva disse ter rodado pelo Brasil, deixando família em São Paulo, Amazonas e outra em Curitiba. Texto ampliado às 17h40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.