Caminhão atropela estudantes e mata 1

Acidente ocorreu na frente de escola no Grajaú, entre a troca de turnos; oito crianças, com idade entre 5 e 6 anos, e uma mulher ficaram feridas

Vitor Sorano e Valéria França, O Estadao de S.Paulo

31 de março de 2009 | 00h00

Um caminhão desgovernado provocou uma tragédia na frente da Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Maria Alice Mencarine Foracchi, no Grajaú, zona sul de São Paulo. Um menino de seis anos morreu. Outras oito crianças, com idade entre 5 e 6 anos, e uma mulher ficaram feridas. O acidente ocorreu por volta das 15 horas, durante a troca de turno. As crianças feridas passam bem e a mulher, monitora de uma van, permanecia até as 23 horas de ontem em estado gravíssimo.De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, as vítimas chegavam à escola, onde estudam 630 crianças em três turnos. O caminhão, um Mercedes-Benz de 6,5 toneladas, continha cerca de 5 toneladas de cestas básicas. O veículo estava estacionado a cerca de 30 metros da escola, no lado oposto da Rua Professor Francisco Marques Oliveira. O motorista e seu ajudante faziam a descarga das cestas em um depósito no local. O caminhão estava calçado e, segundo o ajudante, com o freio de mão puxado. De acordo com testemunhas, o veículo estava havia mais de meia hora parado no local quando começou a descer a via de ré, em direção à escola. O motorista estava dentro do baú e, ao perceber a movimentação, saltou. De acordo com um PM, ele gritou para que todos se protegessem.Duas vans que, segundo a Secretaria Municipal de Educação, deixavam as crianças na escola, estavam estacionadas próximas de um dos portões de entrada. O caminhão bateu em uma das peruas, que se chocou em outra. Depois, o caminhão atingiu o muro e o portão da escola. Ricardo Clemente dos Santos, de 6 anos, que, segundo a Secretaria Municipal da Educação, chegava em uma das vans à escola, foi atingido pelo caminhão e prensado contra o muro. O menino morreu no local e seu corpo ficou preso debaixo do para-choque do veículo. Somente no início da noite de ontem, quando o caminhão foi esvaziado e guinchado pelo Corpo de Bombeiros, o corpo da criança foi retirado do local. Ontem, a polícia já fazia uma perícia no local do acidente.A mulher ferida é Maria Helena dos Santos, de 57 anos. Ela trabalha há dois anos como monitora, ajudando o marido, proprietário do veículo, a cuidar de crianças. Ela foi socorrida pelo helicóptero Águia, da Polícia Militar, e levada para o Hospital das Clínicas. Os pais das crianças ficaram desesperados. "Eu estava em casa quando comentaram sobre o acidente. Vou agora para o hospital ver. Disseram que ele está bem. Enquanto não pegar ele nos braços, não vou ficar calma", disse a dona de casa Ana Maria Ramos de Souza Oliveira, de 27 anos, mãe de Samuel, de 5. "Falaram que ele arranhou a perna", afirmou.POLÍCIAO motorista do caminhão, Magno Paulo dos Santos, de 33 anos, foi levado para o 85º Distrito Policial (Grajaú) e, até as 23 horas, prestava depoimento. Segundo a polícia, a documentação do veículo estava regular. "Foi a segunda vez que viemos nessa rua. Ele (Magno) puxou o freio. Sempre me preocupei em calçar o caminhão. Isso nunca aconteceu, até mesmo em ladeiras maiores. Quando vi, a cabine já estava na frente da escola", disse Lameque Silva Miguel, de 29 anos, ajudante do caminhão. O secretário da Educação, Alexandre Schneider, foi ao local, mas não falou com a imprensa. Hoje a escola não vai funcionar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.