Caminhão bate, explode e mata 5 na Anchieta

Carregada de álcool, carreta tombou e atingiu ônibus em Cubatão

Rejane Lima, Naiana Oscar e Humberto Maia Junior, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2011 | 00h00

Cinco pessoas morreram carbonizadas, ontem, em um acidente entre um caminhão carregado com álcool e um ônibus da Viação Piracicabana, em Cubatão, no trecho de serra da Rodovia Anchieta, na Baixada Santista. Não houve sobreviventes. Morreram Antônio Fábio dos Santos, de 47 anos, motorista do ônibus, o do caminhão e três passageiros da linha 9 da Viação Piracicabana, cujos nomes não foram divulgados. A linha circula nos bairros Cota 200 e Cota 400, na Serra do Mar. O acidente aconteceu às 16h30, quando o caminhão teria tombado e atingido o ônibus, que estava parado em um ponto de ônibus na altura do km 46 da pista sul da rodovia, na descida da serra. O caminhão explodiu e o fogo ainda atingiu o ônibus. O Corpo de Bombeiros chegou ao local 15 minutos depois. Quatro viaturas e 12 homens trabalharam no resgate. Segundo o Capitão da Polícia Militar Sandro Magosso, os bombeiros optaram por fazer uma ''''queima controlada'''', ou seja, deixar o fogo queimar, para evitar riscos de vazamento. O incêndio só foi apagado às 21h45. Até as 23horas, o tráfego era desviado para a pista norte da Anchieta, que teve seu sentido invertido para o litoral. Para ir à capital, o motorista podia utilizar a pista norte da Rodovia dos Imigrantes. MAIS ACIDENTES COM MOTOS A concessionária Ecovias, que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes,registrou um acréscimo de 179% nos acidentes envolvendo motos, em relação ao feriado da Independência do ano passado: foram 123 ocorrências ante 44 em 2006. Segundo o diretor-superintendente da Ecovias, Humberto Gomes, os acidentes são reflexo de imprudência dos condutores, principalmente dos motociclistas. ''''Eles ultrapassam os limites de velocidade, mudam de faixa sem sinalizar e insistem em passar pelo corredor'''', disse. As ocorrências, mesmo as que não são tão graves, provocam um efeito dominó e acabam causando a lentidão. A rodovia congestionada é uma armadilha para o motociclista. ''''Quanto mais denso o trânsito, mais perigoso é para quem está de moto'''', diz o médico Alberto Sabbag, secretário-geral da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), que considerou o acréscimo no número de acidentes ''''surpreendente''''. Além disso, os motoristas de automóveis e caminhões não estão acostumados a dividir a pista com motos na estrada. Entre quinta-feira e domingo, foram registrados 229 acidentes no total - 112 com vítimas, das quais duas morreram e 14 ficaram em estado grave. O movimento ajudou a complicar o trânsito na rodovia. Mais de 344 mil veículos deixaram São Paulo em direção à Baixada Santista pelo sistema Anchieta-Imigrantes. Na subida, o pico foi de 10 mil veículos, entre 14 e 15 horas de domingo. Nas estradas federais do País, 101 pessoas morreram entre quinta-feira e domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.