Caminhoneiros bloqueiam a Rodovia Fernão Dias em cinco trechos mineiros

Categoria protesta contra novas medidas exigidas pela ANTT no exercício da profissão

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo,

27 de julho de 2012 | 01h45

Atualizado às 9h10

No terceiro dia de protesto contra o preço dos pedágios, dos combustíveis e contra a regulamentação da profissão por parte da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), caminhoneiros bloqueiam trechos da Rodovia Fernão Dias, em Minas Gerais, desde a madrugada desta sexta-feira, 27. Segundo o último boletim da concessionária Autopista, três pontos apresentavam congestionamento no sentido São Paulo, entre os quilômetros 507 e 589, passando pelas cidades de  Itatiaiuçu, Carmópolis de Minas e Igarapés. As filas somavam 21,5 km no total.

Os pontos críticos são os seguintes: do km 532,5 ao  545, do  507 ao 513, e do km 586 ao km 589. No sentido Belo Horizonte, há 10 km de interdições no total, entre os quilômetros 589 a 597 e 617 a 619, na região de Oliveira.

Outros estados. No Espírito Santo também houve registro protestos dos caminhoneiros. O tráfego na BR-101 na altura do quilômetro 374, na cidade de Iconha, chegou a ser interrompido durante a madrugada, mas foi liberado por volta das 8h. A Polícia Rodoviária Federal do Espírito Santo informou que restos de objetos queimados estão sendo retirados da pista. O tráfego flui devagar na aproximação do trecho, mas não há bloqueios.

A Justiça Federal no Espírito Santo havia determinado nesta quinta-feira, 26, que os caminhoneiros ligados ao Movimento União Brasil Caminhoneiro desobstruíssem as estradas federais do Estado. Na Bahia, há manifestação de caminhoneiros na BR-020, no quilômetro 206, em Luís Eduardo Magalhães. A BR-264 chegou a ser totalmente interrompida na cidade de Cariacica, desde a noite de quinta-feira, mas também foi  liberada, às 8h06.

A Polícia Rodoviária Estadual de São Paulo informou que não há pontos com bloqueio nas estradas paulistas por conta da manifestação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.