Caminhoneiros vão à Justiça contra pedágio

O Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Campinas e Região vai abrir um processo judicial contra as concessionárias que administram os pedágios no Estado de São Paulo. Segundo o presidente do sindicato, Rubens Góis, um estudo está sendo elaborado e deve estar pronto em 40 dias. "Estamos sendo cautelosos no estudo de todas as irregularidades cometidas pelas concessionárias antes de acioná-las judicialmente", diz ele.O sindicato pretende embargar obras de pedágios em construção na região e desativar alguns já em funcionamento. Além disso, o sindicato quer que o contrato de reajuste estabelecido entre as concessionárias e o governo estadual seja revisto. "Em um país onde não existe inflação não pode haver aumento de pedágio até duas vezes por ano, como ocorre atualmente", justifica Góis. De acordo com o sindicalista, o trabalho está sendo realizado com apoio de prefeitos, vereadores e até deputados federais de cidades da região de Campinas, como Vinhedo, Piracicaba, Nova Odessa, Indaiatuba e Jaguariúna, além de entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil em Campinas.Góis afirma que existem 17 pedágios na Região Metropolitana de Campinas. Alguns, como o de Jaguariúna, com cobrança nos dois sentidos. "Todo mundo está sendo prejudicado pelo excesso de pedágios". Para fazer o trajeto entre São Paulo e Catanduva o caminhoneiro passa por nada menos que nove pedágios. "Isso é um absurdo", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.