Campanha da Voz oferece atendimento gratuito em todo País

Até 30% das pessoas apresentam algum problema nas cordas vocais. A causa mais comum é o uso abusivo da voz, como gritar ou sussurrar. O cigarro também está na lista das causas e eleva o risco de desenvolvimento de câncer de laringe - que acomete cerca de 15 mil pessoas em todo o País. Embora os problemas, no geral, tenham tratamentos simples, o melhor que se tem a fazer é cuidar bem das cordas vocais. E é essa mensagem que a Academia Brasileira de Laringologia e Voz quer passar na 9ª Campanha Nacional da Voz, que começa na segunda-feira, 16, em comemoração ao Dia Mundial da Voz. "A campanha aborda os cuidados com a voz de maneira geral, dando enfoque aos problemas mais comuns, como laringite e câncer de laringe", explica o coordenador da campanha em São Paulo José Eduardo Pedroso. As ações serão distribuídas por todo o País, com exceção dos Estados do Acre, Rondônia, Maranhão, Piauí, Sergipe e Tocantins. Nos locais, além da distribuição de folders com orientações sobre os cuidados com a voz, haverá uma equipe prestando atendimento gratuito à população. "Entre os dias 16 e 21, prestaremos atendimento, com orientação, acompanhamento fonoaudiológico, uma consulta completa." Nos consultórios e hospitais, geralmente as pessoas chegam com quadros de rouquidão persistente. Grande parte é de profissionais que têm demanda vocal muito grande, como professores e operadores de telemarketing. Nesses casos, os médicos costumam diagnosticar algum tipo de lesão na laringe, como um calo. Há outros mais raros, como os nódulos, que já indicam a presença do câncer. "Embora não seja um tumor muito comum, a incidência na cidade de São Paulo é bastante alta. O último censo mostrou que São Paulo era a segunda cidade com maior incidência de câncer de laringe no mundo", informa Pedroso, que coordena o laboratório de laringe e voz da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O especialista lembra, no entanto, que esta alta incidência pode estar ligada ao perfil do atendimento em São Paulo, que recebe pacientes de todo o Brasil. "Não sabemos se é nossa população que está com a doença ou se é por nosso atendimento ser diferenciado." Entre os cuidados para prevenir problemas vocais estão: não forçar a voz (gritar ou cochichar), não fumar e articular bem as palavras. Os especialistas também alertam sobre a importância de ingerir bastante líquido e evitar conversar durante os exercícios físicos. "A rouquidão é comum durante um resfriado ou uma gripe simples, mas ela persiste, em geral, por no máximo dez dias. Passado esse período orientamos a buscar a ajuda de um profissional", aconselha Pedroso. Com um exame de laringoscopia é possível diagnosticar problemas nas cordas vocais. Crendices A campanha também irá alertar sobre o uso de soluções caseiras para "curar" problemas ou melhorar o desempenho vocal. É muito comum as pessoas adotarem o uso do gengibre ou mesmo do conhaque para amenizar a dor ou, por exemplo, deixar a voz mais "potente" antes de cantar. "Nenhum trabalho científico comprova isso. A experiência que temos é que esses elementos causam um efeito analgésico, o que leva a pessoa a cometer abusos vocais por estar com mais conforto na região. Mesmo essas pastilhas que são vendidas em farmácias que as pessoas usam, são somente paliativos." Quando procurar um especialista: - Rouquidão persistente por mais de 15 dias - Perda da voz - Pigarro - Dor na garganta - Dificuldade para engolir alimentos Serviço: Os endereços onde haverá ação da Campanha Nacional da Voz podem ser encontrados no site da Academia Brasileira de Laringologia e Voz, o endereço é www.ablv.com.br.

Agencia Estado,

13 Abril 2007 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.