Campanha de Alckmin responde a Tarso, que chamou tucano de golpista

O senador e coordenador da campanha do tucano Geraldo Alckmin à Presidência, Sergio Guerra (PSDB-PE), rebateu nesta quarta-feira as críticas do ministro de Relações Institucionais, Tarso genro, que chamou o presidenciável do PSDB de golpista. Em nota divulgada nesta quarta-feira, Guerra diz que Tarso Genro tem mania de perseguição. "Ele teme até que as pessoas denunciem à Justiça os desmandos do governo dele", afirmou. Ainda segundo o coordenador da campanha tucana, um eventual novo governo Lula não se desenvolveria "por uma única e simples razão: absoluta falta de projeto." Para ele, isso está claro desde o início do segundo ano da gestão petista, Lula e seus ministros "afundaram o Brasil na maior crise ética e política que o país já sofreu", finaliza a nota.Provocação de TarsoA declaração de Tarso foi uma resposta à fala de Alckmin de que se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva for reeleito, o governo acaba antes de começar. Tarso disse que esse tipo de declaração do tucano demonstraria um lado dele que "é mais perigoso, que é o lado Pinochet". Para o ministro, a "ameaça" do tucano "revela mais um lado Opus Dei do que um lado republicano", afirmou, referindo-se à organização católica ultra-conservadora, da qual Alckmin nega ser integrante.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2006 | 22h42

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.