Campanha de Serra escala núcleo político

Deputados Aleluia e Paulo Bornhausen serão os interlocutores do DEM; João Almeida já foi recrutado no PSDB e Fernando Coruja vai falar pelo PPS

Ana Paula Scinocca e Carol Pires, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 00h00

O núcleo da pré-campanha do PSDB à Presidência definiu ontem um grupo de políticos que vai atuar como interlocutores de José Serra nesta fase.

Em conversas com o presidente do partido, o senador Sérgio Guerra (PE), ficaram definidos nomes de políticos do próprio PSDB e dos aliados DEM e PPS. Falarão pelo DEM os deputados José Carlos Aleluia (BA) e Paulo Bornhausen (SC).

Líder do PSDB na Câmara, o deputado João Almeida (BA) já foi escalado. Pelo PPS, o deputado Fernando Coruja (SC) também foi convocado. Outros nomes serão definidos nos próximos dias pelos presidentes do PSDB, do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e do PPS, Roberto Freire. Senadores dos três partidos devem completar a equipe.

A missão dos interlocutores será responder a eventuais críticas dos adversários, defender discursos do candidato e divulgar a campanha para toda a sociedade. Eles também vão dar entrevistas à imprensa, de maneira a desafogar o trabalho, hoje praticamente exclusivo, de Sérgio Guerra. A ordem dada a todos foi a de não deixar nenhum ataque da campanha adversária Dilma Rousseff (PT) sem resposta.

Ofensiva. José Serra anunciará a pré-candidatura amanhã, em evento da coligação, que já conta com três partidos. O PSDB também iniciou uma forte ofensiva para tentar trazer o PP para a campanha tucana, embora a legenda tenha cargo no governo Lula - o Ministério da Cidades com Márcio Fortes.

O senador Francisco Dornelles (PP-RJ) é um dos nomes cotados para a vice-presidência da chapa de Serra, caso o PP decida formalizar a coligação com o PSDB. Os pepistas, no entanto, esperam maior definição do cenário eleitoral nos Estados antes de bater o martelo em favor da aliança com os tucanos ou petistas. Segundo o Estado apurou, parte do PP defende neutralidade nas eleições de outubro, o que liberaria os integrantes do partido para coligações diversas nos Estados.

O PSDB tem pressa para definir ainda a vinda dos nanicos PSC e PMN para a chapa de Serra. Os tucanos têm interesse nas duas siglas, de olho no tempo de TV. A preocupação da campanha tucana é arregimentar o maior número de aliados para contrapor ao tempo de TV que o PMDB vai agregar à campanha governista Dilma Rousseff. A festa de lançamento da pré-candidatura de Serra está marcada para amanhã, a partir das 9 horas no espaço Brasil XXI, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.