Campanha leva candidata a pedir licença do Senado

Para se dedicar à pré-campanha e participar da elaboração de seu plano de governo, a pré-candidata do PV à Presidência, senadora Marina Silva (AC), decidiu pedir licença de suas atividades do Senado. O afastamento, protocolado ontem na Mesa Diretora da Casa, vai até o dia 17 de junho e ocorre sem ônus para o Senado.

Ana Paula Scinocca de Brasília, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2010 | 00h00

A licença de Marina não implica indicação de suplente ? isso só ocorre quando o prazo é superior a 120 dias de afastamento.

Segundo nota de sua assessoria, Marina resolveu licenciar-se "diante das diversas tarefas que lhe foram confiadas pelo PV", como reestruturação do partido e elaboração de plano de governo, "o que poderia prejudicar o seu desempenho no mandato".

Ciro sai de cena. Alegando motivos pessoais, o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) também pediu ontem licença da Câmara, depois de ver o PSB enterrar sua candidatura à Presidência. Ele ficará afastado das atividades como parlamentar por 30 dias.

Como Marina, o deputado não será remunerado. Seu suplente, o pastor Pedro Ribeiro (PR-CE) também não será convocado.

Antes mesmo da saída oficial de cena, , Ciro não era visto na Casa nas últimas semanas. Em abril, por exemplo, sequer participou de uma sessão, segundo registros da Casa. A assessoria do parlamentar não informou o que ele pretende fazer durante sua ausência da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.