Campanha tucana quer investir em Nordeste na TV

O comando político da campanha do PSDB deve reforçar a presença do nordeste no programa de propaganda eleitoral na TV. O tema foi discutido nesta quinta-feira em reunião de parlamentares do PSDB e do PFL com o jornalista Luiz Gonzalez, responsável pela produção do programa. O coordenador geral da campanha, senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), acusou Lula e seus aliados de estarem fazendo "um show de demagogia e populismo" na campanha, uma vez que não investiu no Nordeste nos últimos quatro anos."Este discurso de Lula não tem fundamento técnico nem político. É eleitoreiro e sobretudo irresponsável", afirmou o senador à Agência Estado, depois de participar da reunião em São Paulo. "A nossa aposta é na integração do País e não na divisão. Dividir o Brasil entre ricos e pobres não é apenas burro, mas principalmente leviano"."A guerra da Secessão é antiga e não nos leva a lugar nenhum. As elites conservadoras do Nordeste fizeram esse mesmo discurso não para defender o povo mas os seus privilégios. O verdadeiro discurso para o Nordeste é o discurso nacional e a favor dos pobres onde eles estiverem. Há Nordeste pelo Brasil inteiro com realidades de total pobreza, como também há áreas de Sudeste dentro do Nordeste", acrescentou.Sem oposição ao NordesteNo encontro com Gonzalez, os parlamentares sugeriram que o programa de TV deixe claro que São Paulo não é oposição ao Nordeste, mostrando, inclusive, pessoas de origem nordestina que fizeram sua vida no sudeste. Para o senador Sergio Guerra, a solução para os problemas de pobreza do Nordeste não passa em pôr uma região contra a outra como estariam fazendo os aliados de Lula, como o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-AL), um alagoano que fez sua carreira política em São Paulo.Segundo Sergio Guerra, o BNDES durante o mandato de Lula aplicou menos do que o tamanho da população do Nordeste no Brasil. "Este mesmo governo reduziu nos últimos quatro anos os investimentos públicos na região em mais de 32%". "O investimento no Nordeste no passado foi fraco e no presente é deplorável", completou o senador, ressaltando que a Agência de Desenvolvimento do Nordeste (Adene) está cheia de funcionários e sem resultado. "O presidente Lula não fez nada e o Nordeste continua pobre e desigual", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.