Campanhas estaduais petistas não conseguem prestar de contas

Faltam seis dias para a eleição e as contas da campanha à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão "na maior bagunça", conforme definição dos próprios dirigentes do comitê central do PT, em Brasília. Planilha com a contabilidade da campanha obtida pelo Estado mostra que até o fim de agosto haviam sido repassados exatamente R$ 4.007.500,00 para os candidatos a governador do partido. A maioria deles ainda devia o recibo referente ao dinheiro recebido.Escaldado pelo escândalo do mensalão, que comprovou o uso de mais de R$ 55 milhões de caixa 2 pelo PT, o partido anunciara que, nesta campanha de 2006, teria uma contabilidade limpa. Não conseguiu. Do repasse de R$ 512,5 mil ao comitê do candidato Vladimir Palmeira, que disputa o governo do Rio de Janeiro, a campanha de Lula não conseguiu nenhum recibo. Isso irritou os dirigentes do partido. A ponto de, desesperados, na parte referente ao número do recibo, na coluna "Situação" eles escreverem por cinco vezes: "Está a maior bagunça".Para São Paulo foram enviados até agora R$ 989 mil. Recibos, por enquanto, só promessas. De acordo com o que está registrado na planilha, um funcionário identificado por Chico Funcia cuidará de fornecer os documentos para o comitê central. Em compensação, os R$ 20 mil enviados para Roraima, em três parcelas, estão totalmente documentados e guardados no cofre do diretório nacional do PT, em São Paulo, com cópias para o comitê central, em Brasília.BagunçaBagunça também foi constatada na prestação de contas de Mato Grosso do Sul: "Não recebemos nada. Recado (telefone e e-mail) para Maria Helena", diz o documento interno do PT. Mato Grosso, da senadora sanguessuga Serys Slhessarenko, não ficou atrás: "Recebemos três recibos do comitê financeiro por fax; não recebemos nada relativo ao repasse de R$ 100 mil do dia 25/08 para o comitê Serys; Regina Borela ficou de enviar fax na segunda-feira, 04/09, de manhã; falta o original de todos; nenhum relatório e documento fiscal para doação estimável em dinheiro", anotaram os dirigentes petistas na planilha.O caso de Rondônia é singular, porque os recibos que chegaram ao comitê central superam os valores repassados. Daí, essa observação dos dirigentes da campanha de Lula: "Os recibos emitidos pelo comitê financeiro estão errados (estão como doação estimável) e a soma das notas ultrapassa o valor repassado comitê financeiro; recado (telefone e e-mail) para Odair Cordeiro". O comitê de Fátima Cleide recebeu R$ 178 mil até agora.Há casos de erro também em Minas Gerais, que obteve da campanha nacional R$ 226 mil. "Recebemos fax dos recibos mas estavam errados; conversamos com Aluisio e depois com Iara para refazer os recibos e corrigir os documentos fiscais enviados para doação estimável em dinheiro", escreveram os dirigentes da campanha petista. O Estado do Amazonas está em total dívida com a campanha, de acordo com a planilha do PT: "Não recebemos nada; recado (telefone e e-mail) para Gilza Batista".A candidata Ana Júlia, que disputa o governo do Pará, e recebeu até o mês passado R$ 450 mil, também está dando a maior dor-de-cabeça para o comitê central da campanha. Diz a planilha petista: "Recebemos três recibos do comitê financeiro por fax; não recebemos nada relativo aos repasses para o comitê Ana Júlia (11/8, R$ 50 mil; 16/8, R$ 100 mil; e 25/8, R$ 300 mil)".

Agencia Estado,

24 de setembro de 2006 | 23h46

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.