Campinas registra 11 assassinatos no fim de semana

Um empresário de Leme (SP) e o vigia de um bairro de classe média alta de Campinas foram assassinados na cidade neste final de semana, um dos mais violentos do ano. Onze homicídios ocorreram entre a noite de sábado e esta manhã. O empresário José Antônio Carraro, de 47 anos, foi morto quando tentava sair de um beco, nas proximidades do Bosque dos Jequitibás, na região central de Campinas, depois de ter se perdido. O vigia Nilson Francisco de Souza, de 25 anos, foi assassinado ao flagrar um assalto em uma das casas do bairro Jardim Paineiras, onde ele trabalhava como segurança. A polícia não descarta a hipótese de os dois crimes terem sido cometidos pela mesma quadrilha, formada por quatro homens fortemente armados, inclusive com fuzil e metralhadora. O que era para ser uma noite de passeio e diversão se transformou em tragédia para o empresário e sua namorada, Eliane Felix, de 20 anos. Carraro buscou Eliane em Americana, onde ela mora, em seu automóvel Jaguar, para se divertirem em Campinas. Ele acabou se perdendo nas proximidades do Bosque, no final da noite de sábado. Ao errar o caminho, o casal entrou em uma rua sem saída, quando foi abordado por três homens que saíram de dentro de um carro escuro, conforme relatou Eliane à polícia. Ela informou que dois dos bandidos portavam armas de cano longo. Um quarto homem permaneceu no carro. Os criminosos exigiram que o casal saísse do Jaguar. Carraro se recusou e arrancou de ré com seu automóvel. Os bandidos dispararam diversos tiros de fuzil contra o veículo e fugiram em seguida. O empresário foi atingido no pescoço e perdeu o controle do carro, que parou ao bater num poste. Eliane não sofreu nenhum ferimento. A namorada chamou a polícia e o resgate, que encaminhou Carraro até o Pronto-Socorro do Hospital Municipal Mário Gatti, onde ele morreu. No local, policiais encontraram cápsulas de fuzil calibre 7.62, de uso exclusivo do Exército. Eles trabalham com as hipóteses de tentativa de assalto e de seqüestro. Segundo a polícia, o mesmo grupo pode ser responsável pelo assalto ocorrido no Jardim Paineiras, onde o vigia Souza foi morto. Ele estava de plantão na madrugada do domingo quando uma quadrilha invadiu uma das casas do bairro. Percebendo a movimentação, o segurança acionou seu apito, para chamar a atenção da viatura que percorre as ruas do local, e se dirigiu à residência onde estavam os bandidos. Souza foi surpreendido por um homem que estava do lado de fora da casa, na Rua Dr. João Alves dos Santos. Rendido, foi levado para dentro, onde estavam uma mulher e um rapaz. Depois de agredi-lo na frente dos moradores, os criminosos o mataram com tiros de uma pistola 380. Segundo depoimento dos moradores, os bandidos estavam armados também com um fuzil e uma metralhadora. Eles fugiram logo após matar Souza, em um Escort prata, levando apenas R$ 50 e dois relógios de pulso. A polícia acredita que a quadrilha tenha ainda tentado abordar um industrial no distrito de Barão Geraldo, em Campinas. A tentativa ocorreu na madrugada, antes do assalto à casa do Jardim Paineiras. A vítima conseguiu fugir porque seu carro, um Passat de fabricação alemã, é blindado. A polícia suspeita de seqüestro. O Escort usado pelos bandidos que mataram o vigia foi encontrado na manhã de ontem na Estrada de Sousas, com a lateral direita amassada e o motor ligado. Outros dez homicídios foram registrados na cidade, entre sábado e hoje na periferia, nos bairros Vila Palácio, Jardim Campo Belo, Jardim São Marcos, Ouro Verde, Parque Valença e Jardim Icaraí. Segundo a polícia civil, ocorreram em janeiro deste ano 44 assassinatos na cidade, oito a mais que no mesmo período do ano passado. Com os crimes deste final de semana, o saldo de homicídios sobe para 55 este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.