Campinas vive madrugada violenta

Quatro adolescentes, com idade entre 14 e 17 anos, foram assassinados nesta terça-feira, por volta das 23h30, em uma casa na Rua 40, no bairro Vila Vitória, periferia de Campinas. A polícia registrou ainda outros quatro assassinatos na cidade entre a noite de terça-feira e a madrugada de hoje. Foram oito mortes em uma das noites mais violentas do ano no município. Os quatro adolescentes foram mortos a tiros. Reginaldo Aparecido Soriano, Luciana Loureiro Alves dos Santos, as irmãs Elaine Cristina Mires Teixeira e Jaqueline Mires Teixeira foram executados com tiros de revólveres calibre 38, 22 e espingarda calibre 32.Um pouco antes, um carro da Polícia Militar patrulhou o local. O comandante do Comando de Polícia do Interior (CPI) 2 da Polícia Militar, coronel Reynaldo Pinheiro Silva, disse que a PM recebeu uma denúncia anônima e mandou uma viatura até o Vila Vitória. Pouco depois de os policiais deixarem o bairro ocorreram as execuções. Vizinhos disseram que ouviram o barulho de um carro chegando à casa e, em seguida, os tiros. O pai de Luciana, Moacir Alves dos Santos, havia sido encontrado morto na sexta-feira passada no bairro Vida Nova, na região do Vila Vitória. Luciana foi morta com um tiro no peito. Elaine foi alvejada no pescoço, nas pernas, nos braços e nas mãos. Jaqueline tinha marcas de tiros na nuca, no peito e na mão esquerda. Reginaldo foi atingido na mão direita e na cabeça. Drogas - Com o grupo, a polícia encontrou uma pedra de crack, um cachimbo para uso de drogas e um cigarro de maconha. A polícia acredita que os jovens foram mortos em um acerto de contas por causa de drogas. Eles moravam na casa, em uma ocupação, desde dezembro do ano passado. Os vizinhos contaram à polícia que antes dos assassinatos houve grande movimentação no local. Móveis e eletrodomésticos teriam sido retirados da residência em vários carros. Os outros assassinatos, de quatro homens, todos mortos a tiros, ocorreram nos bairros Dic 1, Jardim Ouro Verde, Jardim Fernanda 1 e Santa Eudóxia. Até o final da tarde de hoje a polícia não tinha a identificação das vítimas. Com as oito mortes sobe para 95 o número de homicídios este ano em Campinas. Nos dois últimos meses, foram três chacinas. No ano passado, a polícia registrou 609 assassinatos e duas chacinas. As outras duas chacinas de 2002 ocorreram em janeiro. Três homens foram encontrados mortos dentro de um automóvel na Rodovia Dom Pedro I, no dia 9, e quatro pessoas foram assassinadas a tiros no Jardim Colômbia, dia 21, entre elas uma menor grávida de dois meses. SecretárioEm reunião com os prefeitos da Região Metropolitana de Campinas, em Vinhedo, o secretário estadual de Segurança Pública de SP, Saulo de Castro Abreu Filho disse que a maioria dos assassinatos de Campinas ocorre em acerto de contas entre bandidos, principalmente traficantes. O secretário afirmou que a polícia não tem como prevenir esse tipo de crime, mas que o município precisa atuar de maneira firme nos ambientes de alta criminalidade com práticas sociais, como construir quadras esportivas e centros de recreação. "O homicídio ocorre independentemente da polícia. Precisa haver um trabalho integrado para evitá-lo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.