Campo de Marte receberá trem-bala

Área desbancou terreno na Barra Funda; terminal vai operar pouso e decolagem de helicópteros

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

11 Agosto 2009 | 00h00

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) definiu o Campo de Marte, zona norte de São Paulo, como área da principal estação do trem de alta velocidade (TAV) em São Paulo, embora não exista ligação metroviária com o local. O trem-bala vai ligar Campinas, São Paulo e Rio. Havia uma longa discussão sobre a escolha entre a Barra Funda e o Campo de Marte para abrigar a estação.Contra o Campo de Marte, segundo relatório da ANTT, pesa o acesso deficiente a partir da Marginal do Tietê, além de haver como única conexão de metrô a Linha 1-Azul, distante mais de 200 metros. A Barra Funda era considerada pelos técnicos como posição mais central, com acesso razoável à Marginal e com conexões às linhas da CPTM e do Metrô. No entanto, o terreno vizinho, onde a estação central poderia ser construída, não é adequado para suportar a estrutura necessária para o trem-bala.Em ambos os casos, o acesso teria de ser feito por meio de túnel. Entretanto, o caminho da Barra Funda, por ser mais ao sul, teria um desvio de um quilômetro, o que deixaria o projeto ainda mais caro. A empresa britânica Halcrow, consultora técnica do projeto, dispunha de traçados para os dois locais. A ANTT optou pelo Campo de Marte. À estação devem ser integrados a ampliação do centro de convenções do Anhembi, um parque, e uma oficina de manutenção para o TAV. O terreno do Campo de Marte pertence ao governo federal. Hoje, 64% da movimentação é de helicópteros, que deverão continuar a operar no local. São 283 operações diárias. Empresas de táxi aéreo e aviões particulares deverão ser deslocadas para os aeródromos de Jundiaí, Sorocaba, Bragança Paulista ou Campo do Amarais, em Campinas, todos do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp).O Metrô informou que estudará uma forma de interligação com a futura estação paulista do TAV. "Caso se confirme a estação na área hoje ocupada pelo Campo de Marte, a integração será com Linha 1-Azul em uma das três estações mais próximas: Tietê, Carandiru ou Santana", diz nota. Uma possibilidade é fazer a ligação por meio de metrô leve (monotrilho). DESAPROPRIAÇÕESEm todo o traçado está previsto reassentamento de 617 famílias. São reservados R$ 55 milhões para custear as desapropriações. Serão cortados 831,06 hectares de matas - equivalentes a 770 campos de futebol. O projeto TAV é orçado em R$ 34,6 bilhões. O edital deve ser lançado no próximo mês, com conclusão da obra em 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.