Campo de Marte vai ser ampliado

Nova torre de controle e alargamento de pista, orçados em R$ 76 mi, permitirão aumentar em 9% as operações

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2008 | 00h00

file://imagem/93/marte.jpg:1.93.12.2008-09-10.16 Quinto aeroporto do País em operações, Campo de Marte, em São Paulo, passará por obras que, quando concluídas, poderão aumentar os pousos e decolagens em até 9%. "Hoje estamos melhorando a infra-estrutura, com a revitalização da pista. Mas daqui a cinco anos, poderemos ampliá-la", adiantou o superintendente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Alex Barroso Júnior. De janeiro a julho, o número de passageiros que passaram pelo aeroporto da zona norte cresceu 66,8%, chegando a 60.414.Com a nova torre de controle, orçada em R$ 16 milhões e prevista para 2011, será possível ter visibilidade de 90% das aeronaves na pista. Haverá ainda a construção, no próximo ano, de um empreendimento comercial para os passageiros - com centro de convenções, lojas, restaurantes, empresas de táxi aéreo, consultórios e escritórios. A expectativa é de que até dezembro seja feita a licitação. Outro projeto é a ampliação na largura da pista, estimada em R$ 60 milhões. "Não há mais como crescer no terreno da Infraero. Para isso, teríamos de envolver os terrenos que pertencem ao governo federal", acrescenta Barroso. Dos 2,1 bilhões de m² do aeroporto, a área civil utilizada pela Infraero ocupa 975 milhões de m².Neste ano, já houve recapeamento de pista, substituição de cercas e muros, instalação de janelas atenuadoras de ruído e abertura de uma nova portaria na Avenida Olavo Fontoura, após três anos de negociação com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Os investimentos ocorrem no ano seguinte ao maior acidente da história de Campo de Marte - a queda de um Learjet em novembro, que deixou oito mortos - e após a redução no número de operações em Congonhas.HANGARESCampo de Marte conta com 22 hangares em operação e iniciou a construção de mais um. Para o futuro, a previsão é de erguer 15 novos hangares em regime de concessão, em um local de mata fechada, paralelo à pista. Para tanto, o aeroporto precisa obter licença do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Outros projetos sem previsão de início são a ampliação no pátio de estacionamento das aeronaves, a construção do segundo heliponto, a instalação de novas câmeras no pátio e nas cabeceiras da pista, além da melhoria no terminal de passageiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.