Campos do Jordão pede ajuda para obras de emergência

A Defesa Civil de Campos do Jordão, 167 quilômetros a nordeste de São Paulo, quer que o Estado auxilie o município em obras emergenciais de contenção das encostas, desvio de águas pluviais e escadas hidráulicas em áreas de risco da cidade. A chuva, que nos últimos dias causou 89% de umidade no solo, ameaça nove bairros,onde moram cerca de seis mil pessoas.Nos últimos três dias choveu 53 milímetroscúbicos fazendo com que o município fique em situação de alerta. Para evitar possíveisdeslizamentos, técnicos da Defesa Civil percorrem todos os pontos críticos e trabalhamem sistema de revezamento durante 24 horas.?Estamos cortando árvores, limpando oscórregos e alertando a população?, disse o assistente técnico do município, FernandoSoares. A cidade teme reviver os deslizamentos que em janeiro do ano 2000 provocaram a morte de dez pessoas.Das áreas apontadas pela Defesa Civil, três bairros apresentam situação mais crítica. No Britador, Vila Santo Antonio e Vila Albertina a chuva que não pára amedronta os moradores. ?A chuva começa e a gente nem dorme. Fica com medo do pior?, confessa a dona-de-casa Terezinha Santos Souza, que mora no local há nove anos e viveu o drama dos deslizamentos no ano 2000.Para alertar os moradores, a prefeitura está distribuindo panfletos com o telefone daDefesa Civil e pedindo a ajuda da população na observação de rachaduras das casas. ?Todos os dias fazemos vistoria no solo, nas casas, nas encostas. Nossa intenção é prevenir o máximo possível.?A prevenção fez com que parte da casa do aposentado Geraldo Vitor da Silva fosse demolida pela Defesa Civil por causa da proximidade de uma árvore. Apesar da orientação dos técnicos, o aposentado não quer sair do imóvel. ?Aqui não tem perigo nenhum. Eu não saio da minha casa por nada.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.