Arnaldo Carvalho/JC Imagem
Arnaldo Carvalho/JC Imagem

Campos é reeleito com 82% dos votos

Governador tem a maior votação do Estado e atinge maior porcentual de votos entre todos[br]os candidatos do País

Angela Lacerda, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2010 | 00h00

Com a maior votação já registrada no Estado, Eduardo Campos (PSB) foi reeleito ontem governador de Pernambuco. Campos alcançou 82,83% dos votos - ante 14,06 % do segundo colocado, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB). Eduardo também elegeu os dois senadores da sua coligação, o ex-ministro Humberto Costa (PT) e o deputado federal Armando Monteiro Neto (PTB).

Com vitória tão expressiva, Eduardo se consolida como o homem forte de Lula no Nordeste e se fortalece como uma liderança nacional com cacife para vir a conquistar sua meta, a Presidência da República, a partir de 2014.

De quebra, vingou o avô Miguel Arraes, falecido em 2005 e considerado um mito político em Pernambuco, ao impor uma diferença de 2,5 milhões de votos sobre o ex-governador Jarbas Vasconcelos.

Em 1988, Arraes teve 26,3% na disputa pelo governo do Estado, sendo derrotado por mais de 1 milhão de votos pelo mesmo Jarbas, que conquistou 64,1% da votação.

Campeão de votos também no Brasil, Eduardo atribuiu o sucesso ao seu trabalho à frente do governo do Estado, dividindo os louros com todos os 15 partidos coligados da Frente Popular. Em entrevista, disse que vai manter essa unidade.

Maciel. Isolado, Jarbas considerou "previsível" a vitória do adversário, mas lamentou a exclusão do senador e ex-vice-presidente da República Marco Maciel (DEM), que, segundo ele, só tentou a reeleição a seu pedido. "Me sinto culpado", disse ele. Aos 70 anos e com uma carreira política de quase 50 anos, é a primeira vez que Marco Maciel perde uma eleição.

Pela manhã, o presidente nacional do PSDB e candidato a deputado federal, Sérgio Guerra, colocou uma pá de cal na aliança com Jarbas no Estado.

"A aliança está exaurida", afirmou, sem assumir responsabilidade pela adesão da maioria de prefeitos tucanos à candidatura de Eduardo, de quem é amigo e com quem fez dobradinha em vários municípios.

Protesto. Num dia sem emoção e marcado pela aparente apatia do eleitor, chamou a atenção o protesto do engenheiro João da Cunha Cavalcanti Neto, que foi votar vestido de palhaço na primeira zona eleitoral, no bairro de Boa Viagem, zona sul do Recife.

Ele protestou contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de revogar a obrigatoriedade do título de eleitor, a quatro dias da eleição.

Com peruca e nariz vermelho, pendurou o título no pescoço e desabafou: "Fiquei muito irritado com a falta de respeito com que o cidadão é tratado no Brasil, Fomos transformados em palhaços".

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco, 77 pessoas foram presas no Estado durante o dia de ontem por propaganda irregular, boca de urna e compra de voto, entre outras irregularidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.