Campos, no Rio de Janeiro, põe 700 desabrigados em escola

Na favela onde moram, no município de Campos, no Rio de Janeiro, Valdéia Zacaria da Silva, de 50 anos, e Ana Beatriz da Silva Barreto, de 32 - mãe e filha -, são vizinhas. Vítimas das enchentes, as duas continuam juntas, mas agora no auditório da Escola José do Patrocínio, que abriga o maior número de desabrigados. A prefeitura montou outros 29 abrigos.Na escola, são cerca de 700 pessoas, que começaram a chegar há quatro dias. Valdéia e Ana, como os demais, pouco salvaram de seus barracos: a mãe resgatou uma parte do guarda-roupa, o sofá e o fogão. A filha recuperou metade de um sofá (o restante não conseguiu levar), uma mesa e o aparelho de som. "A gente leva anos para pagar as coisas e a chuva vem e leva tudo num piscar de olhos", lamentou a dona de casa Valdéia.Valdéia está no abrigo com o marido, Adelestone dos Santos Barreto, de 53, os filhos mais jovens, de 14, 24 e 26 anos, e um netinho de 7. Ana levou os filhos Pâmela, de 15 anos, e Pablo, de 16. Para dormir, Ana e os adolescentes se espremem em dois pequenos colchonetes e no pedaço de sofá que restou.CooperaçãoNo auditório, há oito famílias. Cada uma se ajeitou num canto com o que pôde trazer da casa alagada. Um fogão, panelas, estantes, algumas peças de roupa - é o que se vê pelo chão. Tudo arrumadinho, na medida do possível, diz Ana. "Todo mundo está se ajudando. Quem não tem prato ganha prato; quem não tem onde cozinhar usa o fogão do outro."Os barracos de mãe e filha estão cobertos de água e lama. "Voltei lá ontem (domingo), mas a água estava na altura da cintura. Não há condições de voltar. É duro começar o ano assim. Ainda mais eu, que fui demitida no dia 26 de dezembro e agora não sei o que vou fazer", conta Ana, que é doméstica.Além do auditório, todas as 29 salas da escola foram ocupadas. Na cozinha, foi improvisada uma central de distribuição de donativos - roupas, sapatos, lençóis, colchonetes, travesseiros e mantimentos doados pela população. Algumas pessoas reclamam que o que tem não dá para todos. "Recebi um saquinho de arroz, outro de feijão e um pacote de biscoito para mim e outras quatro famílias, com quem dividimos uma salinha", diz Edilane, dona de casa que prefere não ter o sobrenome publicado. Ela foi para o abrigo com os três filhos, de 7, 3 e 1 ano de idade. O marido, pintor, está viajando. "Desde sábado que as crianças só comem Miojo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.