'Candelária nunca mais', diz papa a jovens infratores

Menores entregaram a Francisco rosário com nome de cada um dos oito mortos por policiais na chacina há 20 anos

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

26 Julho 2013 | 15h47

RIO - Na presença de cinco jovens infratores brasileiros, o papa Francisco fez um alerta forte contra a violência da polícia no Brasil. "Candelária nunca mais", declarou o papa diante dos menores internados em instituições no Rio. No encontro no Palácio São Joaquim nesta sexta-feira, 26, os jovens explicaram ao papa sua situação e Francisco teria se emocionado.

Segundo o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, os cinco deram ao papa um rosário gigante, com os nomes de cada um dos oito jovens e crianças mortos por policiais há 20 anos, em 23 de julho de 1993.

Ao abrir oficialmente a Jornada Mundial da Juventude, na terça-feira, 23, o arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, já havia lembrado os mortos na chacina.

O crime. Mais de 70 crianças e jovens dormiam na área da Candelária na madrugada de 23 de julho de 1993, quando os carros com PMs chegaram. Quatro foram executados ali mesmo. Um foi assassinado ao tentar fugir. Outro morreu dias depois, internado. Dois foram levados até o Aterro do Flamengo e assassinados. Seis tinham de 11 a 17 anos; havia um de 18 e outro de 19.

Baleado novamente em 1994, Wagner dos Santos, a principal testemunha, vive na Suíça. Sofre sequelas como esterilidade, cegueira de um olho e surdez de um ouvido.

Mais conteúdo sobre:
papa Candelária

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.