Candidata nega ter participado de ações armadas

Após reportagem sobre suas atividades clandestinas nos anos 70, publicada ontem pela revista Época, a candidata Dilma Rousseff voltou a negar ter atuado em ações armadas daquele período. A partir de documentos inéditos, a revista narra seu papel em organizações como o Colina e o VAR-Palmares, e sua prisão e tortura em São Paulo, onde ficou detida 28 meses. Hoje, liderando as pesquisas para a Presidência, a petista recebe, segundo a revista, um tratamento especial: as menções ao seu nome, em processos no Superior Tribunal Militar, foram cobertos com tinta preta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.