Candidatos não se aprofundam em temas na volta do horário eleitoral

Na volta do horário eleitoral gratuito, nesta quinta-feira, 12, as coligações dos candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) preferiram a cautela à troca de acusações. Diferentemente do tom imprimido durante o debate na TV Bandeirantes, no último domingo, Lula e Alckmin optaram por destacar, sem aprofundamento, as metas com as quais pretendem trabalhar, caso sejam eleitos.De acordo com sorteio, o programa de Lula foi o primeiro a ser veiculado. O candidato à reeleição falou já quase na metade de seu horário, após uma série de vinhetas de campanha. Lula agradeceu a votação recebida no primeiro turno e considerou que a realização do segundo turno foi "um pedido de tempo" feito pelo povo.O presidente também adiantou que pretende discutir, nesta fase do pleito, as grandes diferenças entre seu projeto de governo e o de seu adversário. Sem se aprofundar nos temas, Lula prometeu fazer mais pela educação, segurança e saúde do brasileiro.Já ao final do horário reservado a Lula, seu programa destacou a diferença de 12 pontos percentuais (56% a 44%) entre ele e o candidato Alckmin, demonstrada pela mais recente pesquisa Datafolha, divulgada nesta quarta-feira. A coligação considerou esta vantagem, crescente em relação a pesquisas anteriores, como resultado da "vitória de Lula" no debate de domingo, na Bandeirantes.O programa despediu-se divulgando a agenda do presidente para esta quinta-feira.A coligação Por um Brasil Decente, de Geraldo Alckmin, não destoou do formato da campanha de seu adversário. O tucano agradeceu pelos votos que o levaram ao segundo turno, insistiu em seus "30 anos de vida pública" e prometeu construir um País "justo, decente e livre de corrupção", caso seja eleito.Neste Dia da Criança, o programa apostou no tema educação. Alckmin adiantou que pretende tirar as crianças das ruas, mantendo-as nas escolas, longe das drogas e do crime.O candidato tucano também chamou para si a vitória no debate de domingo. Na edição do programa, que também caprichou nas vinhetas de campanha, a coligação veiculou o momento em que Alckmin pergunta a Lula sobre a origem do dinheiro encontrado em poder de petistas para a compra do dossiê Vedoin, que associaria tucanos à máfia das ambulâncias. O próprio texto do programa responde: "ou Lula sabia" e mentiu não saber ou o presidente não sabia, o que denotaria "falta de pulso" para governar o País.Também pouco se aprofundando nas propostas, Alckmin prometeu ainda gerar emprego em todo o Brasil, principalmente no Nordeste, reiterou que quer criar a nova Sudene (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste) e tratar a criminalidade com firmeza e liderança, sem se eximir de responsabilidade ou transferi-la para os governos.Finalizando o programa, o governador eleito de São Paulo, José Serra, destacou os pontos positivos de Alckmin e aconselhou aos eleitores o voto no tucano para a Presidência da República.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.