Candidatos nos Estados tentam 'esconder' tucano

No Rio Grande do Norte, por exemplo, o nome de Serra não aparece nas propagandas da aliada do DEM

Ana Paula Scinocca/ BRASÍLIA Julia Duailibi / SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2010 | 00h00

No momento em que tucanos reclamam da ausência de material para militância em regiões do País e aliados pedem mais mobilização nas ruas, a campanha do presidenciável do PSDB, José Serra, encontra dificuldades em alguns palanques estaduais.

Os cenários tidos como mais críticos hoje são Rio Grande do Norte e Amazonas. No primeiro Estado, a coligação de Serra tem como candidata ao governo a senadora Rosalba Ciarlini (DEM).

O nome do tucano sequer aparece nas propagandas da candidata, decisão tomada por orientação do marqueteiro. A ordem é evitar que a candidata seja vista como anti-lulista.

Por conta da tentativa de "esconder" o candidato do PSDB, tucanos sequer têm conseguido montar agenda para que o presidenciável no Estado. "Ninguém consegue levar o Serra lá", confidenciou um líder tucano.

No Amazonas, a situação é um pouco diferente. Serra não está totalmente "escondido", mas também não aparece por lá. A tradição não é boa para o PSDB no Estado. Lá foi o local onde o então candidato tucano à Presidência em 2006, Geraldo Alckmin, teve o pior desempenho.

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio, candidato à reeleição, disse que já convidou o presidenciável "inúmeras vezes para ir ao Estado".

"Ele tem espaço lá e precisa ir", anotou Arthur Virgílio, que colou sua campanha à reeleição no candidato a governador Alfredo Nascimento (PR), que dará palanque à adversária de Serra, Dilma Rousseff (PT).

Em Pernambuco, o PSDB local não tem se entendido com o candidato a governador, Jarbas Vasconcellos (PMDB), que dará palanque a Serra. Tucanos aderiram à coligação em torno da reeleição de Eduardo Campos (PSB), da base de Dilma.

Dos 17 prefeitos do PSDB no Estado, apenas três continuaram na campanha de Jarbas. O resto migrou para Campos, que é amigo do presidente do PSDB, Sérgio Guerra. O governador e Guerra têm boa relação desde a época em que o presidente tucano era do PSB.

No Paraná, a saída de cena do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), inicialmente escolhido como vice e depois substituído por Índio da Costa (DEM-RJ), criou um problema. Serra tem agenda no Estado, mas sem a presença de Dias, que não acompanha Serra porque seu irmão, Osmar Dias (PDT), disputa o governo. COLABOROU ÂNGELA LACERDA

Convidado

ARTHUR VIRGILIO SENADOR (PSDB-AM)

"Já o convidei (a Serra) inúmeras vezes. Ele tem espaço lá e precisa aparecer"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.