Candidatos passam por maratona estética

De olho na propaganda eleitoral, presidenciáveis recorrem a cirurgia plástica, maquiagem, renovação do guarda-roupa e tratamento dentário

Clarissa Oliveira, Ana Paula Scinocca e Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2010 | 00h00

Nada de montar programa de governo, negociar alianças ou organizar equipe de campanha. A primeira providência dos pré-candidatos à Presidência antes de rodar o País em busca de votos foi dar uma recauchutada no visual, para não fazer feio nas ruas e na propaganda eleitoral gratuita.

De cirurgia plástica a maquiagem, passando por troca do guarda-roupa e clareamento nos dentes, os presidenciáveis José Serra (PSDB), Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV) iniciaram há meses ou até anos uma maratona de tratamentos estéticos.

O esforço - muitas vezes bastante doloroso - aparentemente valeu a pena. A afirmação é válida para a ex-ministra Dilma Rousseff, campeã absoluta da transformação. Ela começou com pequenas mudanças, como aposentar os óculos e perder os quilos a mais. Não tardou para que apelasse para uma solução mais drástica: há pouco mais de um ano, passou por uma cirurgia plástica e mudou o tom abóbora dos cabelos por um ruivo mais escuro e discreto.

Dali em diante, Dilma integrou os cuidados com a beleza a sua rotina diária. A maquiagem, antes quase inexistente, agora é indispensável. "Ela não sai mais de casa sem se pintar", admite o amigo Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte. Com a proximidade da eleição, ela levou a proposta até as últimas consequências. Agora, transita em eventos públicos com uma maquiadora a tiracolo, para retoques de última hora.

Sob comando do marqueteiro João Santana, ela dispõe de uma equipe exclusivamente encarregada do seu figurino. O plano é aposentar o "look Margareth Thatcher", uma referência à colega britânica, de quem emprestou o apelido de "dama de ferro".

Prova de que a cirurgia estética ganha cada vez mais adeptos no mundo masculino, Serra já passou por duas intervenções bastante dolorosas. A primeira ocorreu anos atrás, com a remoção das bolsas de gordura ao redor dos olhos. A mais recente foi feita para a eleição deste ano: uma alteração do contorno das gengivas, para deixar os dentes maiores e o sorriso mais atraente. Para finalizar, fez um clareamento nos dentes.

Antes mesmo de anunciar a pré-candidatura, Serra chamou a atenção ao circular em público com maquiagem no rosto. Diante da grossa camada de base na face do ex-governador, assessores explicavam: "É por causa das gravações do programa na TV".

Mesmo quem nunca se rendeu à vaidade mudou de ideia. Há pelo menos uma década, a senadora Marina Silva (PV) apresentava-se com os cabelos amarrados num coque, roupas largas, cara lavada e óculos sobrepostos às profundas olheiras.

"Ela é extremamente alérgica, nem consegue usar maquiagem", diz o coordenador da campanha, Alfredo Sirkis. Ainda assim, lá estava ela nas últimas inserções do PV com as olheiras disfarçadas e um blush leve. Para arrematar, o gel no cabelo agora controla os fios rebeldes. Mas a transformação maior ocorreu no guarda-roupa. Agora, ela usa vestidos longos, alguns com estampas coloridas, com cintos largos marcando a silhueta. "Mas ela já avisou. Não quer perder a autenticidade", diz Sirkis.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.