Cantor Belo nega ligação com traficante

Durou três horas o depoimento do cantor Marcelo Pires Vieira, o Belo, 28 anos, e de seu cunhado, Rodrigo Guedes dos Santos, na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), na tarde desta terça-feira. Segundo o delegado Ricardo Hallack, Belo negou que seja dele a voz gravada pela polícia em uma conversa telefônica com o chefe do tráfico de drogas do complexo do Jacarezinho, Valdir Ferreira, o Vado. No depoimento, Belo garantiu que não estava em casa no dia 4 de abril, numa quinta-feira, quando a conversa foi gravada.Na ligação, realizada do celular de Vado para o telefone instalado na casa de Belo, o traficante pede R$ 11 mil para comprar "tecido fino". Em troca o interlocutor de Vado, ainda não identificado, pede um tênis AR. Para a polícia os códigos se referem à cocaína e a um fuzil Ar-15, respectivamente.Belo disse aos policiais que tem um revólver registrado, mas negou ser colecionador de armas e conhecer o traficante. Disse que só vai a favelas quando é contratado para fazer shows.Segundo o delegado, Belo, que mora no Rio há um ano e oito meses, afirmou que sequer sabe chegar sozinho ao Jacarezinho. O cantor afirmou que muitos empregados circulam por sua casa, no condomínio Maramar, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste, sugerindo que um deles poderia ter falado ao telefone com o traficante. Atualmente Belo constrói uma academia de ginástica em sua residência e já chegou a ter 20 empregados, entre pedreiros e eletricistas, no local.As fitas com as gravações telefônicas estão sendo periciadas no Instituto de Criminalística Carlos Éboli, para comprovar que não houve manipulação. O ICE não tem condições de realizar o teste para identificar a pessoa que falou com Vado. Para isso será necessário enviar o material para a Universidade de Campinas (SP), a Unicamp.Rodrigo Guedes dos Santos, irmão de Viviane Araújo, noiva do cantor, disse ao delegado que o aparelho telefônico instalado na casa de Belo está em seu nome porque foi transferido da casa de seus pais, em Jacarepagupa, onde o casal morava até um ano atrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.