Cantor contesta filho sobre morte de ex-mulher

Menino disse que pai quis matá-los, por isso mãe se atirou pela janela

, O Estadao de S.Paulo

15 de dezembro de 2008 | 00h00

O promotor Marcelo Oliveira, de Guarulhos, na Grande São Paulo, contestou ontem a versão do cantor Evandro Gomes Correia Filho, de 35 anos, sobre a morte da ex-companheira Andréia Nóbrega, de 31. Ela e o filho do casal, Lucas, de 6 anos, caíram no dia 18 de novembro do 3º andar do prédio onde moravam. O menino teve ferimentos leves. Para Oliveira, a defesa quer tirar a credibilidade das testemunhas e atribuir a culpa a Andréia."Dificilmente alguém confessa o crime. Sabia que a defesa colocaria a culpa nela." O promotor envia hoje a denúncia em que o músico, que está foragido, é acusado de homicídio duplamente qualificado e tentativa de homicídio. Ele também pede a prisão preventiva do músico. Segundo contou o menino, o pai, após brigar com a mãe, pegou uma faca e cortou a mangueira do botijão de gás. O cantor teria partido para cima de deles. Numa tentativa desesperada de se salvar, Andréia teria jogado o menino pela janela e se atirado em seguida. Em entrevista ao jornal Diário de S.Paulo, o músico contradiz o filho, dizendo que foi Andréia quem cortou a mangueira. De acordo com Correia, ele tirou a faca da ex-companheira e tentou conter o vazamento do gás. "Fui para cima dela e disse, já alterado: ?Meu, você quer matar todo mundo!? Depois voltei para a cozinha e tirei o registro do gás. Nisso, escutei um tuntuntum. Quando entrei na sala, só vi a pontinha dos pés dela na janela do quarto."Correia disse que, naquele dia, encontrou com Andréia num shopping para entregar o dinheiro do aluguel atrasado. Os dois teriam discutido porque ela comprou blusas e queria fazer maquiagem definitiva. De lá, contou, eles foram para o apartamento onde Andréia morava com o filho. O casal teria discutido novamente. Andréia, então, foi buscar o menino na escola. Correia diz que aguardou no apartamento, mas as imagens mostram ele chegando ao local após a ex-companheira e o filho subirem. "É montagem." Depois da queda, o músico aparece indo embora sem prestar socorro. "Achei que ela tinha matado meu filho e não queria ver o corpo dele estatelado no chão. Corri para pedir ajuda."O promotor Oliveira diz que o músico foi até um lava-rápido, onde pediu para um conhecido levá-lo até o carro porque "ele estava com dois canos (armas)". A testemunha tem seu nome preservado no caso. "Ele (Correia) tinha vontade de matar. Se só quisesse ameaçar, socorreria os dois. Ele (Lucas) jamais ia inventar uma história", diz Oliveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.