Cantora voltava para a Alemanha, onde morava

Antes de a porta do Airbus A330 da Air France se fechar, a cantora Juliana Ferreira Braga de Aquino, de 29 anos, ligou para o pai, Benedito Aquino. Como fazia habitualmente ao viajar, ela avisou que ligaria novamente quando chegasse a Paris. Esta seria a segunda etapa da viagem de regresso da cantora para Stuttgart, cidade alemã em que vivia desde 2003, quando passou em testes para participar de musicais.Ela havia saído na manhã de domingo de Brasília, onde passava férias desde o dia 11, para pegar no Rio o voo para Paris. De lá, seguiria para a Alemanha. De acordo com o pai, Juliana estava animada. Com o fim das férias, preparava-se para iniciar um novo espetáculo musical na Alemanha, em junho. Solteira, vegetariana, Juliana revelava em sua página do Orkut hábitos simples: assistia a seriados como Friends e ER, gostava de filmes e integrava comunidades como Pequeno Príncipe, Brasília e Marisa Monte. Pela manhã, no Aeroporto de Brasília, Benedito dizia ter esperanças de que o avião seria reencontrado. No fim da tarde, acompanhado da mulher e dois filhos, embarcou para o Rio. Assim como familiares de outros passageiros, ele ficaria em um hotel reservado pela Air France, onde teria acesso a informações. Antes do voo, seu ânimo mudou. "Não tenho mais notícia nenhuma. A expectativa é de que o acesso a informação seja facilitado no Rio." Um dos irmãos de Juliana, Luís Augusto, afirmou que a família falaria apenas no Rio, ao lado de parentes de outros passageiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.