Cantores e jogadores compram carros importados contrabandeados

Operação 'Black Ops' denunciou concessionárias envolvidas em esquema de contrabando; Emerson, do Corinthians, Diguinho, do Fluminense, Latino e Belo seriam clientes

Fábio Grellet e Márcia Vieira, do estadao.com.br,

08 Outubro 2011 | 12h26

A operação "Black Ops" da Polícia Federal que, na sexta-feira prendeu 13 pessoas de uma quadrilha de contrabandistas de carros de luxo, atingiu os jogadores de futebol Emerson, do Corinthians, Diguinho, do Fluminense, e os cantores Latino e Belo. Os quatro compraram seus carrões importados nas duas concessionárias fechadas pela PF. 

Segundo a investigação, a quadrilha comandada pelo israelense Yoram El Al, importou ilegalmente 102 veículos nos últimos dois anos.  Como as notas fiscais eram subfaturadas, os carros eram vendidos por preços mais baixos e serviam para lavagem de dinheiro da quadrilha, envolvida também com máquinas caça-níqueis. O assessor de Diguinho, Henrique Coelho, confirmou ontem que o jogador realmente comprou um carro há três meses na concessionária da Barra. "Mas o carro não tinha irregularidades e será devolvido segunda ou terça-feira pela Polícia Federal", disse Coelho.

O advogado de Latino, Bruno Pinho Gomes,  disse em nota que o cantor "repudia qualquer insinuação sobre seu envolvimento ou participação em negócios de importação e comercialização de veículos." Latino vai colaborar com as investigações policiais e garante que é apenas um "cliente, como tantos outros, que de boa-fé adquiriram veículos em uma loja bem estabelecida em local nobre da cidade do Rio de Janeiro".

Ivo Peralta, advogado de Belo, também negou que o pagodeiro estivesse envolvido em irregularidades na compra do carro.  "Ele  adquiriu um veículo, mediante o recebimento de toda a documentação de regularidade dos órgãos nacionais que fiscalizam e efetuam o cadastro de veículos", explicou Peralta, também em nota. "O artista não concorreu para nenhuma das condutas imputadas aos envolvidos e indiciados pela Polícia Federal e a Receita Federal do Brasil e  repudia veementemente os fatos criminosos noticiados e se dispõe para eventuais esclarecimentos aos órgãos competentes."

Mais conteúdo sobre:
Black Opscontrabando

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.