Jackeline Gouveia, protetora de animais
Jackeline Gouveia, protetora de animais

Cão tenta socorrer 'amigo' atropelado em Juazeiro do Norte

Os dois cachorros costumavam passear juntos pelas ruas próximas a Avenida Leão Sampaio; saiba mais sobre animais que estão a espera de um lar

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2019 | 15h47

SÃO PAULO - Eram 8 horas da manhã de sexta-feira, 4, quando um cão tentava ajudar o 'amigo' que havia sido atropelado na Avenida Leão Sampaio, em Juazeiro do Norte, no interior do Ceará. Ele se posicionou em pé ao lado do cachorro que estava caído no asfalto. A cada movimento de carro, ele olhava para os lados, provavelmente na esperança de encontrar ajuda.

"Calma amiguinho, tudo bem?", disse Jacqueline Gouveia, protetora de animais há 25 anos e dona do abrigo Lar Brilho Animal. Ela também é vereadora (PRB) e estava a caminho de uma audiência de maus-tratos contra um cavalo, no momento em que presenciou a situação.

"Eu fui até ele, conversei e observei que era dócil. Estava ao lado do amiguinho que tinha morrido após ser atropelado. Muitas pessoas estavam por perto, mas ninguém tentou ajudar. Um rapaz que conheço passou de moto, poucos minutos depois, e me ajudou a tirar o cachorro, que tinha sido atropelado. Quando chegamos, o que estava deitado no asfalto já estava morto, não foi possível socorrê-lo, mas o tiramos da avenida e o colocamos em um terreno baldio em frente a via. O cachorrinho seguiu a gente e o amiguinho", relatou Jacqueline. 

Depois da audiência, Jacqueline retornou ao local, mas o cão não estava mais lá. Ela conversou com pessoas da vizinhança e soube que ele tem dono, porém vive nas ruas. Ele e o cachorro, que morreu atropelado, sempre eram vistos juntos nas ruas do bairro. Moradores davam comida e água para eles.

"Se aparecer novamente, vou levá-lo para o abrigo", acrescentou a protetora. 

Em busca de um lar

Atualmente, 100 cães e 90 gatos estão no abrigo Lar Brilho Animal. Alguns com deficiência e cegos já estão no abrigo há mais de 12 anos.

Uma das novatas da casa é a Mel. "Há uma semana, foi resgatada em frente a um hospital. Parece que o dono faleceu. Os funcionários do hospital me chamaram e fui resgatá-la. Ela é dócil e tem no máximo 2 anos", destacou Jacqueline.

"Ela ficou na porta do hospital a esperado do dono. Os animais têm sentimentos e estão nos dando lições de amor e fidelidade a cada dia."

Em São Paulo, a entidade Projeto Esperança Animal (PEA) também tem animais para doação.

Mia e o filhote Coockie são dois gatos que foram resgatados das ruas em um dia de chuva.

Os dois animais foram castrados e vermifugados e estão a espera de um lar. Ambos são mansos. Para mais detalhes, acesse o site do PEA.

Mais conteúdo sobre:
Juazeiro do Norte [CE]cachorro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.