Capital amanhece sem ônibus e trens do Metrô nesta 2ª feira

Apenas duas das 18 empresas de ônibus que operam na cidade de São Paulo não aderiram à paralisação que teve início às 4h30 desta segunda-feira em toda a capital. As estações de metrô amanheceram fechadas. Segundo Jorge Isao Hosogi, presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores, e o centro de operações da São Paulo Transportes (SPTrans), a Viação Santa Brígida e a Viação Gato Preto, localizadas na região noroeste da cidade, operam quase que normalmente, mas a grande maioria dos 1.300 motoristas vão retardar a saída das 29 garagens para as 6h30. Como os ônibus destas duas empresas saíram das garagens, os terminais da Pirituba e Lapa estão funcionando normalmente. A situação em todas as linhas do Metrô é a mesma. Como a estação Itaquera do Metrô está fechada, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) resolveu fechar também o acesso dos passageiros naquela estação para evitar uma superlotação do sistema. Os passageiros da CPTM que querem ingressar nos trens naquele trecho devem seguir para as estações Dom Bosco e José Bonifácio. Os microônibus, que são subordinados às cooperativas, estão sendo instruídos a estender as linhas que se restringem aos bairros para o centro da cidade. As categorias lutam pela manutenção de um veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à emenda 3, como ficou conhecida a proposta aprovada pelos parlamentares proibindo auditores fiscais de multar empresas prestadoras de serviços, mesmo se julgarem que esses contratos estejam disfarçados de relações empregatícias. A justiça ordenou que durante o horário de pico da manhã e da noite, 100% da frota de trens e ônibus circulasse pela cidade. A multa pelo não cumprimento da decisão judicial é de R$ 100 mil ao dia. Rodízio O prefeito Gilberto Kassab (DEM) afirmou que o secretário municipal dos Transportes, Frederico Bussinger, já tinha conversado com as empresas de ônibus contratadas pela administração para transmitir a responsabilidade contratual para operarem suas frotas. ?Não temos a intenção de suspender o rodízio municipal porque não acreditamos em uma paralisação dos ônibus. Mas, em virtude da possível paralisação do metrô determinei que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) esteja com todo seu efetivo na rua desde as primeiras horas do dia, procurando dar todo auxílio ao motorista?, ressaltou Kassab.

Agencia Estado,

23 Abril 2007 | 06h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.