Capivara que se jogou ao mar, no Rio, passa bem em Niterói

Depois de um dia estressante, em que nadou por seis horas no mar aberto para fugir dos bombeiros, a capivara fêmea capturada ontem em Copacabana passou uma noite tranqüila no Zoológico de Niterói, comeu nove espigas de milho e foi solta hoje à tarde em uma reserva ecológica da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense. Apesar do protesto de moradores da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, de onde suspeita-se que o animal tenha saído, a diretora do Zoológico de Niterói, Giselda Candioto, afirmou que o novo lar é mais apropriado."Entendo que as pessoas vão sentir falta de encontrá-la na Lagoa, mas ela foi levada para um lugar que é melhor para ela, mais adequado e mais seguro. A capivara gosta de viver em grupo. Ela estava sozinha e agora habita um espaço em companhia de outros animais da mesma espécie", disse hoje Giselda, afirmando desconhecer que, na Lagoa, viva também uma capivara macho. "Acho que isso não é verdade. Mas, se for, ele também tem que ser capturado e levado para a reserva, pois lá na Lagoa esse tipo de animal não tem como ter uma vida muito longa".Apesar de ter enfrentado durante horas um habitat que não é o seu, nadando em água salgada e sendo jogada pelas ondas nas pedras da praia de Ipanema, a capivara não tinha nenhum ferimento, segundo Giselda. "Ela está muito bem. Não ficou machucada. Por causa do esforço feito na sexta-feira, estava com muita fome e sede. Bebeu litros de água e comeu espigas de milho inteiras". O animal foi solto na reserva às 14 horas. Segundo o biólogo Luiz Carlos da Silva Firmino, do zoológico de Niterói, a transferência foi feita sem problemas. "Tem muita área verde aqui. Ela ficou muito bem. Aqui existem mais outras seis capivaras", afirmou.A operação de salvamento do animal começou cedo, por volta das 9 horas de sexta-feira, e durou cerca de dez horas. Os bombeiros foram chamados por banhistas, que, logo no início da manhã, avistaram a capivara andando pelas areias de Ipanema. Suspeita-se que ela tenha saído da Lagoa e chegado à praia pelo canal do Jardim de Alah, sendo arrastada até as pedras do Arpoador. Depois de oito tentativas frustradas de resgate, às 19 horas, o animal, cansado, deixou-se capturar nas areias de Copacabana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.