Capturada quadrilha de resgate de presos

Policiais do Grupo de Investigações sobre Resgate de Presos (GIRP) e da 5ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Crimes Patrimoniais (DICCPatrimônio) da Polícia Civil identificaram e prenderam parte da quadrilha que realizou o violento resgate de 94 detentos do 45º Distrito Policial de Vila Brasilândia, zona Norte, ocorrido no ano passado. Durante a ação, o sargento da Polícia Militar José Inácio de Paiva, de 30 anos, foi morto, e o soldado Sérgio Antônio Caner, de 38 anos, perdeu a perna. Ao todo, a polícia já indiciou 11 pessoas, seis já estão presas. Entre elas, dois líderes da quadrilha, Claudenor Henrique Marinho, o "Timba", e Ageu de Souza Torres, o "Negreti".De acordo com o delegado Ruy Ferraz Fontes, da DICCPatrimônio, o resgate de presos, ocorrido no dia oito de outubro do ano passado, foi realizado por cerca de 20 homens de duas quadrilhas diferentes - uma de Campinas e outra de Pirituba."Há um pacto entre essas quadrilhas, na qual uma ajuda a outra quando integrantes dos bandos são presos", explicou o delegado.O objetivo das quadrilhas, segundo Fontes, seria resgatar apenas três presos: Wellington Silva Cordeiro, de 19 anos, Alexandre Henrique Crusat, de 25, e Luciano Nascimento de Farias, de 23, conhecido como "Maluco". "Os três encomendaram o resgate e, até onde sabemos, não houve pagamento pelo serviço. O delito foi praticado por companheirismo", afirmou o delegado.Segundo ele, 20 horas após o resgate, a polícia conseguiu localizar Cordeiro e Crusat, em um barraco localizado em Pirituba, na capital, onde eles faziam uma família como refém. No confronto com os policiais, os dois acabaram mortos. Segundo o delegado, "Maluco" foi morto por guardas civis municipais, durante um assalto na cidade de Indaiatuba.Documentos encontrados em poder de Cordeiro e Crusat levaram a polícia até a auxiliar de enfermagem Neusa Aparecida, que trabalhava na quadrilha de Campinas, para socorrer os feridos. Segundo o delegado, ela teria levado a polícia até outros membros da quadrilha: Flávio Tadeu Rodrigues da Silva, o "Chabi", e Marcelo Kyioshi Nogiri, o "Japa", que também acabaram entregando dois dos líderes da quadrilha de Campinas, Claudenor Henrique Marinho, o "Timba", e Ageu de Souza Torres, o "Negreti". Os dois foram presos nesta quinta-feira, em um apartamento na Praia da Enseada, na cidade litorânea do Guarujá. No local, foram apreendidos um fuzil calibre 762, uma pistola 9 milímetros, um revólver calibre 38, uma BMW e aparelhos celulares.Há duas semanas, os policiais também prenderam Silvio Roberto Bispo de Lima, conhecido como "Babalu", de 38 anos, e Alexandre Frutuoso, o "Negão", que segundo o delegado foi o responsável pelo fornecimento do dinheiro e de motocicletas utilizadas no resgate de presos. "Ele arrumou o dinheiro e as motos para acertar uma dívida que tinha com Cordeiro", afirmou Fontes.O delegado também destacou que Cordeiro e Wanderson Nilton de Paula Lima, o "Andinho", de 22 anos, que está foragido da polícia, fazem parte do Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa que atua nos presídios, arrecadando dinheiro de roubos efetuados pelos detentos para a realização de resgates e compra de armamento.Fontes afirmou ainda que a ficha criminal de "Timba" tem 17 páginas. "Antes mesmo do resgate do 45º DP, ele já tinha sido condenado a 71 anos de prisão", afirmou o delegado. A quadrilha de Campinas também é suspeita de ter realizado o resgate de "Andinho" em junho do ano passado, na Penitenciária III de Hortolândia, além do resgate de "Timba", em setembro, no Hospital Municipal de Americana, interior de São Paulo.Todos os trabalhos da Polícia Judiciária foram acompanhados, segundo o delegado, pelo promotor de Justiça Gabriel César Zacharias Inellas, designado especialmente para o caso pela Procuradoria Geral de Justiça do Estado de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.