Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Caramujos africanos infestam bairros de Caraguatatuba

Os caramujos africanos voltaram a aparecer em alguns bairros de Caraguatatuba, no litoral norte paulista. Os mais atingidos, segundo a Secretaria de Saúde do município, são os bairros Massaguaçu,Jaraguazinho, Caputera e Travessão.Os caramujos, chamados cientificamente deAchatina fulica, são animais que restaram de uma tentativa de reproduzir escargot naregião.Como o cultivo não deu certo, ficaram alguns caramujos, que se reproduzem com facilidade, incomodando os moradores. Atualmente a importação de novas espécies para a reprodução está proibida por lei.Moradora do bairro Travessão, a doméstica Aparecida de Moraes diz que ficouincomodada com tantos ?bichos?. Ela também tentou jogar sal para matar os caramujos,mas de nada adiantou. ?Tenho medo de que eles causem doenças à minha família.?Segundo o médico Guilherme Garrido, da Secretaria de Saúde de Caraguatatuba, o molusco pode causar uma virose, se ingerido. Por este motivo não é aconselhável o contato manual na captação dos caramujos, principalmente em relação às crianças, que colocam mais as mãos na boca.Ele informou que, apesar da presença do molusco nos quintais das casas, nenhum caso de virose causada pelo contato com o caramujo foiregistrado.Para orientar a população sobre como evitar doenças e acabar com a presença decaramujos, a Prefeitura de Caraguatatuba colocou um telefone à disposição dosmoradores. O número (12) 3882-5025 funciona das 8 às 17 horas no Setor de Controlede Zoonoses.Também para orientar a população e os turistas, a Prefeitura está distribuindo panfletos com dicas sobre como acabar com os moluscos. No folheto, aprincipal orientação é colocar sal no molusco, depois colocá-lo dentro de um saco plástico e colocar fogo ou enterrar.

Agencia Estado,

19 de novembro de 2002 | 18h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.