Carandiru: 15 reféns libertados

Depois de mais de doze horas de tensão em todo o Estado de São Paulo, a polícia ainda não conseguiu controlar as rebeliões em quatro presídios. Para tentar por fim à situação, a Secretaria de Segurança do Estado pretende intensificar as negociações no Complexo do Carandiru, mais especificamente na Penitenciária do Estado, onde, segundo afirmou o secretário de Segurança, Marco Vinicio Petrelluzzi, estão os líderes desse movimento. Ao todo, no dia de ontem, foram libertados vinte reféns, cinco no período da tarde e os outros quinze, dentre os quais estavam mulheres e crianças, por volta das 23h30. Os reféns deixaram o Complexo em um ônibus da Polícia Militar. Segundo uma das reféns libertadas, a situação está tranqüila no interior da Casa de Detenção. Ela também informou que alguns dos parentes de presos que estão dentro se recusam a deixar o presídio, temendo pela vida dos presos.Além do Complexo do Carandiru, ainda estão rebelados os detentos das cidades de Tremembé e Franco da Rocha. As negociações estão suspensas no momento. O cálculo que se faz é de que há dez mil presos rebelados, que tomaram cinco mil reféns. A tropa de Choque está no pátio da Casa de Detenção, segundo a Secretaria de Segurança, e também no pátio da Penitenciária do Estado. É esta última que se concentra as preocupações da polícia, porque é lá onde estão os líderes do movimento. Existem informações de que dois terços do presídio já foram tomados pelos policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.