Carcereiro preso pode ser autor de ameaças da Farb

O carcereiro Edson Simões Amparo, de 51 anos, foi preso hoje de manhã, em Guarujá, pela Polícia Federal, sob a acusação de ser o autordas ameaças de morte encaminhadas via e-mail aos senadores e deputados federais do Partido dos Trabalhadores, entre os quais a senadora Eloísa Helena (PT-AL) e os deputados Aloizio Mercadante, José Dirceu e Telma de Souza. Todas as mensagens tinham assinatura da Frente Armada Revolucionária Brasileira (Farb). Na casa simples da rua Itapema, no distrito de Vicente de Carvalho, os policiais federais apreenderam dois computadores e uma série de cadernos que continham os endereços eletrônicos dos parlamentares, em Brasília. O filho de Edson, o adolescente M. N. N., de 15 anos, também foi ouvido pelos delegados Cássio Muniz Guimarães, que esteve à frente da operação.O carcereiro, que negou tudo, teve a prisão temporária decretada pelo juiz Roberto Lemos dos Santos Filho, da Justiça Federal de Santos.Edson, que está afastado do serviço público estadual por problemas psiquiátricos, negou tudo, mas não pode escapar da detenção, pelasevidências de autoria do crime. Segundo revelou o delegado Cássio Luís Guimarães, no dia 9 de janeiro, o acusado foi flagrado como responsável por ameaças idênticas feitas a prefeitos da Baixada Santista. Na ocasião ele negou tudo, dizendo que alguém poderia ter usado a sua senha para enviar as mensagens. Só que desta vez ele não teve como negar novamente o envio das mensagens.Mostrando-se surpreso com a detenção, ele, de imediato, inocentou o filho, afirmando que o rapaz sequer sabe mexer com computadores. O adolescente também se encontra em tratamento psiquiátrico, fato que o levou a interromper os estudos ainda no primeiro grau.Final. Defesa - O advogado Ismar Cabral negou que seu cliente, Edson Simões Amparo, seja o autor das ameaças. Depois de acompanhar o depoimento do carcereiro, que durou mais de uma hora, na Polícia Federal, o advogado disse acreditar que a senha do computador do carcereiro tenha sido clonada e alguém a estaria utilizando para formalizar denúncias e ameaças contra autoridades constituídas.Cabral fez questão de enfatizar, independente de qualquer acusação, que seu cliente é um homem doente e está afastado da polícia para tratamento psiquiátrico, bem como o filho de Edson, que também teria problemas mentais, desde o nascimento.Investigação - Todo o material recolhido na casa de Edson Simões será encaminhado ao Instituto de Criminalística, em Brasília, enquanto o carcereiro foi removido, hoje mesmo, para o Presídio da Polícia Federal, em São Paulo. Indiciado por ameaça, o carcereiro deverá permanecer detido por cinco dias, período que poderá ser prorrogado por mais cinco, se as autoridades policiais considerarem necessário, para eventuais esclarecimentos.Além de mensagens contendo ameaças aos parlamentares, a PF encontrou vasto material nas buscas feitas na casa do acusado. Desde revistas e recortes sobre as ações de Osama bin Laden, a informes sobre o antraz, e cópias de pronunciamentos feitos por parlamentares de todos os partidos, como um discurso do senador Pedro Simon (PMDB-RS). Havia também uma série de rascunhos e vários cheques do carcereiros preenchido pelo filho. Um deles apresentava o valor de R$ 1 milhão e era destinado à Rede Globo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.