Carcereiros que teriam permitido saída de detento são presos

Os três carcereiros da desativada Cadeia Pública de Vila Branca, em Ribeirão Preto, que estavam de plantão em 18 de março de 2000, foram presos hoje, suspeitos de terem facilitado a saída de um preso, que teria cometido um homicídio e voltado para sua cela. Eles prestaram depoimento na Corregedoria da Polícia Civil de Ribeirão Preto, onde negaram a saída do detento e foram levados para a Cadeia Pública de Dumont.Os carcereiros Carlos Eduardo Alonso de Barros, Donizeti Aparecido Pereira e Márcio José Brasileiro tiveram prisão temporária, por 30 dias, decretada pela Justiça local ontem. A polícia investiga se o trio realmente facilitou a saída do preso Édson dos Santos, o Formigão, da cadeia, para matar o manobrista Márcio Pereira de Araújo, ocorrido num estacionamento da Avenida Presidente Vargas. A mulher de Araújo reconheceu e apontou Santos como o autor do crime.Santos era presidiário, mas um exame residuográfico, pedido pela polícia, feito em suas mãos, indica que ele mesmo teria disparado uma arma de fogo contra Araújo. Se forem confirmadas as participações dos carceiros no caso, eles deverão ser processados como co-autores do homicídio. O delegado Jayme Ribeiro, que responde pela corregedoria em Ribeirão Preto, também investiga a conduta administrativa dos três carcereiros. Márcio José Brasileiro era um dos que teria facilitado, no início deste ano, a entrada de dois barris de chope na Cadeia de Vila Branca. Ele foi afastado e transferido de cidade após o fato. A cadeia foi desativada no início deste mês após a divulgação de uma gravação em que presos encomendavam pizzas e drogas por telefone celular. O prédio está em reformas e será transformado em presídio feminino até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.