Cargueiro com contêineres encalha na Baía de Guanabara

Navio de companhia suíça parou em um banco de areia e foi retirado do local por cinco rebocadores

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

02 de setembro de 2008 | 11h32

Um cargueiro da empresa suíça MSC ficou encalhado por mais de sete horas nesta terça-feira, 2, na Baía de Guanabara, perto da Praça Mauá, depois de ficar preso em um banco de areia. O cargueiro de nome MSC Pragui, de bandeira liberiana, transportava contêineres e não entrou pelo canal de navegação, o que normalmente é feito por navios deste porte. Para retirá-lo do local, foram encaminhados cinco rebocadores.    Por volta das 15 horas, quando a maré subiu, o cargueiro foi desencalhado e levado até o cais por rebocadores, segundo a Companhia Docas, responsável pela administração do porto do Rio, não houve risco de a embarcação afundar nem sequer de poluir o local, pois o calado (profundidade) do navio é de 11 metros, compatível com a capacidade do canal de navegação de acesso ao Porto, de acordo com a MultiTerminais.   A Capitania dos Portos afirmou que será aberto um inquérito para apurar as causas do acidente, que impediu a entrada de quatro navios no Porto do Rio até o início desta tarde. A única informação confirmada é que a embarcação ficou presa na margem esquerda do canal de navegação usado pelos navios para chegar ao porto, que tem 13 metros de profundidade. A suspeita, divulgada pela Companhia Docas, é que o navio tenha feito uma manobra errada.    O canal que serve ao Porto do Rio começa na altura da Praia de Copacabana e, na Ilha das Cobras, divide-se em dois, um que leva ao terminal do Caju e outro ao cais de São Cristóvão. No canal do Caju, o último encalhe de embarcação aconteceu em 1988. (Com Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo, e Agência Brasil)   Texto alterado às 18h16 para atualização de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
Baía de Guanabaranavio cargueiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.