Cariocas lamentam fim do horário de verão

O carioca está se despedindo do horário de verão à zero hora de domingo com um gostinho de "quero mais". A vontade de que o relógio continue com os seus ponteiros adiantados é quase uma unanimidade para aqueles que querem aproveitar ao máximo as praias da cidade. "Acabar com o horário nos outros Estados eu ainda entendo, mas o Rio merece continuar com os dias mais longos, pois é uma cidade de luz", comentou Jaime Miranda, de 52 anos, que tomava uma cerveja no mirante no Leblon no fim da tarde de hoje.Depois de 30 dias de férias, o securitário Sergio Mendonça, de 37 anos, lamentou que a volta ao trabalho seja acompanhada por dias mais curtos. "É uma pena, pois com o dia ainda claro eu costumo sair do trabalho, andar de bicicleta pelo calçadão e ainda dar um mergulho no mar", afirmou. "Acho que o horário de verão poderia continuar, pelo menos, durante o carnaval", sugeriu.Vendedor de refrigerantes e cerveja em Ipanema desde os nove anos de idade, Silvio Rodrigues, de 35 anos, disse que o seu faturamento cai com a queda de movimento provocada pelo fim do horário de verão. "É pior, o pessoal desiste de vir para a praia porque a noite chega rápido. A venda da minha barraca cai em 30%", contabilizou.Embora a maior torcida seja por uma hora a mais de sol, há quem prefira voltar ao ritmo normal de vida. Professor de uma escolinha de vôlei de praia nas areias de Ipanema, Robenildo Quintino Alves, de 33 anos, mais conhecido como Pelé de Ipanema, acha que os dias ficam cansativos com o horário de verão. "As pessoas começam a jogar cedo e só saem da praia lá pelas 23 horas. Eu acabo indo dormir tarde mas, no dia seguinte, tenho de acordar cedo", comentou.A dona de casa e mãe de três filhos, Rosa Costa, de 40 anos, acha que o fim de horário de verão vai facilitar as suas manhãs, quando é obrigada a tirar as crianças da cama para levá-las para o colégio. "Os meninos ficam com preguiça de acordar com o dia quase escuro. Agora, não têm mais desculpas para continuar dormindo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.