AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Cármen Lúcia discutirá com PSOL pedido de mudança em MP sobre presídios

Partido afirma que medida provisória retira recursos do Fundo Penitenciário Nacional para outros fins que não o original

Breno Pires, O Estado de S. Paulo

10 de janeiro de 2017 | 20h36

BRASÍLIA - A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, receberá nesta quarta-feira, 11, às 11 horas, uma comitiva de integrantes do PSOL, para discutir o pedido feito pelo partido para que o STF declare inconstitucionais alguns trechos da Medida Provisória 755/16, editada pelo presidente Michel Temer, que tratou da arrecadação e da transferência de recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen).

Foi com base em uma ação do partido que o Supremo declarou o "estado inconstitucional de coisas" do sistema penitenciário e determinou o descontingenciamento de verbas do Fundo Penitenciário Nacional. O partido afirma que a medida provisória retira recursos do Funpen para outros fins que não o original e isto seria uma violação da própria decisão do STF.

Dentro desta argumentação, o partido pede que Cármen Lúcia reconheça que estes fins ferem a decisão do próprio STF e, com isto, garanta que os recursos do Funpen permaneçam apenas no sistema penitenciário. A peça foi protocolada pelo Psol nesta segunda, com um pedido de urgência para análise de Cármen, de quem esperam uma medida cautelar.

O partido argumenta que a MP, ao mesmo tempo que liberou R$ 1,2 bilhão para o sistema penitenciário, autorizou, em alguns artigos, a redução da arrecadação do Funpen (que era de 3% do total apurado na loteria esportiva federal e passou a ser 2,1%) e o repasse de até 30% do saldo do Funpen do fim de 2016 para o Fundo Nacional de Segurança Pública, que não era o fim original do Funpen.

O plenário do STF, no julgamento da medida cautelar proposta pelo PSOL na ADPF 347, determinou à União "que libere o saldo acumulado do Fundo Penitenciário Nacional para utilização com a finalidade para o qual foi criado".

A finalidade do Fundo Nacional de Segurança Pública é "apoiar projetos na área de segurança pública e de prevenção à violência, enquadrados nas diretrizes do plano de segurança pública do Governo Federal". Uma das atribuições do FNSP é apoiar projetos destinados a "reequipamento, treinamento e qualificação das polícias civis e militares, corpos de bombeiros militares e guardas municipais", e "estruturação e modernização da polícia técnica e científica". 

Crise. A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, se reuniram na manhã desta terça-feira, 10, no gabinete da ministra para tratar da crise da segurança pública.

O encontro não estava previsto na agenda de Cármen nem de Moraes. Esta foi a segunda reunião entre ambos desde as primeiras mortes de detentos no Amazonas dentro de unidades do sistema penitenciário estadual. Com chacinas no Amazonas e em Roraima, o número de mortes em unidades prisionais está próximo a 100 nos dez primeiros dias de 2017. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.