Carnaval do Rio e de São Paulo é levado para o Vale do Paraíba

Depois de se apresentarem nos desfiles de São Paulo e Rio de Janeiro, intérpretes e casais de mestre-sala e porta-bandeiras, saem nesta segunda-feira na Avenida Presidente Vargas, em Guaratinguetá, Vale do Paraíba. A cidade tem o carnaval mais tradicional da região e neste ano investiu R$1 milhão na preparação da festa. As seis escolas do Grupo Especial saem com mil integrantes cada uma, em um desfile que deve durar, pelo menos, sete horas. "Aqui as escolas se preparam o ano inteiro e receberam, cada uma, 27 mil reais", informou o secretário municipal de turismo, Nelson Baracho. Realizado na avenida Presidente Vargas há 30 anos, o desfile começa às 21 horas e deve reunir 20 mil pessoas. Desfilam as escolas Bonecos Cobiçados, Embaixada do Morro, Mocidade Alegre do Pedregulho, Acadêmicos do Campo do Galvão, Unidos da Tamandaré e Beira Rio da Nova Guará. Além das alas e dos destaques, as escolas também contam com a participação especial de integrantes de escolas de samba do Rio e de São Paulo. Da Beija-Flor, o casal Selminha Sorriso e Claudinho integram a Acadêmicos do Campo do Galvão, campeã no ano passado. Neste ano será a quarta escola a desfilar com 14 alas, quatro carros alegóricos e o enredo "O círculo do céu, a magia dos signos". A "Bonecos Cobiçados" vai apresentar Marcelo e Janaína, da Mocidade Independente de Padre Miguel e o puxador Vander Pires. Irmão de Neguinho da Beija-Flor, o intérprete Nego, da Império Serrano, vai defender a Mocidade Alegre de Pedregulho. O cantor Fred Viana, da Unidos do Tucuruvi, também estará em Guaratinguetá, interpretando o samba-enredo da Beira Rio da Nova Guará. Segundo o presidente da organização das escolas de samba, Lourival Braz, a presença de integrantes de escolas do Rio e de São Paulo, não conta pontos. "É uma atração a mais, mas não são levados em conta". As seis escolas serão analisadas em nove quesitos por 27 jurados. A apuração será realizada na quarta-feira, às 15 horas, na avenida Presidente Vargas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.