Carnavalesco da Mangueira garante neutralidade em tema polêmico

Avesso a polêmicas, o carnavalesco da Mangueira, Max Lopes, não quer saber de confusões causadas pelo fato de o governo do Ceará ter injetado R$ 500 mil no enredo da escola, que fala sobre o rio São Francisco. A questão chegou à justiça porque o Ministério Público daquele Estado considerou, a princípio, que se tratava de um repasse ilegal. A questão acabou sendo resolvida, mas, para Max, isso não faz a menor diferença para a Mangueira: "Sou um artista, não me ligo na parte comercial. Mas, como cidadão, me posiciono favorável a dar água a quem tem sede", disse o carnavalesco, que garante que o desfile da escola será neutro em relação à transposição das águas do rio São Francisco. O projeto de transposição das águas é defendido pelo governo federal, mas tem recebido forte ataque de setores da oposição.

Agencia Estado,

27 Fevereiro 2006 | 22h05

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.